[ Diretor: Mário Frota [ Coordenador Editorial: José Carlos Fernandes Pereira [ Fundado em 30-11-1999 [ Edição III [ Ano XII

segunda-feira, 31 de maio de 2010

Existem 2,08 milhões de empréstimos à habitação

in "DN" - 31 Maio 2010

Existiam, a 30 de Setembro do ano passado, 2,08 milhões de contratos de crédito à habitação em Portugal, que somavam 121,7 mil milhões de euros, concedidos por 33 instituições.
Numa caracterização deste mercado, contida no Relatório de Estabilidade Financeira do Banco de Portugal publicado na semana passada, verifica-se a forte prevalência dos contratos com taxa de juro variável, que representam 95,9% do total dos créditos vivos. Os de taxa fixa são 0,8%, enquanto 3,3% optou por taxa mista.
O prazo original médio dos contratos de crédito à habitação com taxa variável ronda os 29 anos, mas este tem vindo a ser alargado progressivamente pelos consumidores, como forma de diluírem o valor da prestação mensal. Assim, no início de 2000, o prazo médio era de 26 anos, tendo passado para 33 anos no final do terceiro trimestre de 2009.
Apesar de a Euribor a seis meses ser o indexante mais usado nos contratos dos portugueses, o mesmo indexante a três meses passou a ser a taxa de referência mais habitual a partir do segundo trimestre de 2006.
A evolução dos spreads mostra um alargamento das margens relativamente pronunciado a partir dos finais de 2007. Nessa altura, os spreads médios atingiam um valor mínimo de 0,5 pontos percentuais, tendo chegado à média de 1,19 pontos nos contratos celebrados no terceiro trimestre de 2009.
Verifica-se igualmente a preponderância da modalidade de reembolso dos empréstimos em prestações constantes de capital e juros, desde o início do contrato.
De referir ainda que seis bancos detêm quase 90% dos contratos de crédito à habitação vivos.