[ Diretor: Mário Frota [ Coordenador Editorial: José Carlos Fernandes Pereira [ Fundado em 30-11-1999 [ Edição III [ Ano XII

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Combustíveis - Gasóleo já aumentou 16% desde o início do ano

in Jornal "Diário de Notícias” - 30.Nov.10

Agravamento dos preços está já a provocar nas zonas fronteiriças uma deslocação do consumo para Espanha, com perdas de milhões de euros para o Estado
Encher o depósito do carro é cada vez mais proibitivo para o bolso dos portugueses. Só este ano, o preço da gasolina 95 aumentou 10,3% em Portugal, enquanto o gasóleo custa mais 16%!
Actualmente, o preço de referência da gasolina é de 1,409 euros o litro. É o quinto mais caro em toda a União Europeia, de acordo com os dados publicados por Bruxelas; o gasóleo ronda 1,209 euros o litro, o 11.º mais elevado no espaço comunitário.
Ou seja, atestar um depósito de 50 litros de gasolina custa, hoje, 70,45 euros; no final do ano passado não se gastava mais de 63,85 euros. Para quem consome gasóleo, as contas ainda são mais difíceis de fazer: um depósito de 50 litros enchia-se com 52,10 euros; agora tem de se desembolsar 60,45 euros. E o pior é que, tendo em conta a evolução do mercado petrolífero, os preços deverão voltar a subir nos próximos dias.
O agravamento dos preços dos combustíveis, no entanto, ainda não se fez sentir com grande impacto no consumo. A procura nacional de gasolina 95, de acordo com os últimos dados oficiais, referentes ao mês de Agosto, totalizou 175 milhões de litros, uma quebra de apenas 0,5% face ao ano anterior; o consumo de gasóleo rodoviário, por seu lado, cresceu 5,3%, ascendendo a 520 milhões de litros.
Mas nas zonas de fronteira há uma clara deslocação do consumo para Espanha, onde os preços de venda ao público são mais baixos. Um estudo recente da Apetro, a associação das empresas petrolíferas, realizado pela Deloitte, conclui que o fenómeno fuel tourism levou já ao encerramento de algumas “bombas” e a uma perda de receita líquida de 70 milhões de euros anuais entre particulares e transportadores. E isto sem contar com os impostos que o Estado não recebe (84,4 milhões) e os 25 milhões que se perdem na deslocação da procura de outros bens e serviços, como restauração e supermercados.
A verdade é que, de acordo com a execução orçamental, as receitas de ISP ascenderam, nos primeiros dez meses do ano, a 2016,9 milhões de euros, uma quebra de 0,9% em relação ao mesmo período do ano passado.
Para dinamizar o mercado e travar a “sangria” dos cofres do Estado, o Governo está a preparar nova regulamentação da Lei dos Combustíveis, de modo a “obrigar” as gasolineiras a criarem uma rede de gasolinas low cost, à semelhança do que a Galp fez em Setúbal e do que já se verifica nas “bombas” associadas às grandes superfícies. Os consumidores ficarão a ganhar, já que a diferença de preços entre as gasolinas mais caras e as de baixo custo chegam aos 20 cêntimos por litro.

Sem comentários: