[ Director: Mário Frota [ Coordenador Editorial: José Carlos Fernandes Pereira [ Fundado em 30-11-1999 [ Edição III [ Ano X

quinta-feira, 16 de março de 2017

 SERTÃ – Alerta para tentativas de burla


Os contactos estão a ser feitos hoje, dia 30 de janeiro... A Rádio Condestável recebeu o alerta de uma residente do concelho dizendo que foi contactada pela empresa ANGIMED para um rastreio médico que se irá realizar amanhã, dia 31, a partir das 09:00 na Igreja Matriz da Sertã.

O telefonema é feito a sugerir exames médicos gratuitos quando a intenção será vender colchões e cadeiras de massagens. Cláudia Costa, depois do telefonema feito pela suposta empresa, ligou para o Ministério da Saúde para “saber se tinha algum tipo de apoio, mas não têm”, acrescentando que “não encontro qualquer tipo de informação na internet. Uma familiar sofreu anteriormente na pele este tipo de burla, tendo sido enganada com uma cadeira de massagens e um colchão num valor de cerca de 7 mil euros, atestou”. Esta entidade procura pessoas com mais de 50 anos e Cláudia afirmou que se fez passar por uma pessoa dessa idade, “se calhar porque são mais facilmente enganadas”. No final desta chamada diz ter contactado a Guarda Nacional Republicana (GNR) para estar amanhã no local. Um dos responsável da ANGIMED, contactado pela Condestável, esclareceu que foi desmarcado o rastreio em causa. Daniel Almeida, Pároco da Sertã, confirmou à Rádio Condestável que há cerca de duas semanas foi contactado por mail para a cedência do Salão Paroquial para rastreios médicos mas que não ficou qualquer tipo de data marcada. Há habitantes de Cernache do Bonjardim que também estão a ser contactados para um rastreio sobre a "Prevenção da Gripe" dando indicações de que deverão estar presentes amanhã no Seminário das Missões e que "após os exames lhes será facultado o resultado dos mesmos a fim de apresentarem no serviço de saúde, tentando dar credilibilidade o ato", referiu-nos um dos contactados, mantendo o anonimato. A Associação Portuguesa do Direito do Consumo, através do seu presidente Mário Frota, já tinha explicado em declarações à Rádio Condestável que “quem se sentir enganado deve dar parte à autoridade policial do concelho, pois poderemos estar perante um crime de burla e há invocação de uma autoridade pública para fins que não são apropriados”, neste caso o Ministério da Saúde. Além deste facto, estas compras deverão ser sempre acompanhadas por um contrato escrito. Existindo este, o comprador pode ainda desistir do negócio nos 14 dias seguintes, por “carta registada com aviso de receção, e-mail onde fique prova de recebimento, ou de qualquer outro meio legítimo de que o consumidor possa fazer prova”. Tentámos contactar a empresa em causa mas esta não quis prestar declarações.

Sem comentários: