[ Director: Mário Frota [ Coordenador Editorial: José Carlos Fernandes Pereira [ Fundado em 30-11-1999 [ Edição III [ Ano X

quinta-feira, 27 de abril de 2017

Portugal é a nova Miami para os brasileiros ricos




IMIGRAÇÃO
por: João Almeida Moreira

26.04.2017



Classes média e alta trocam Florida por Lisboa, entre outros destinos, para fugir da crise e em nome da língua e da história comuns, e segurança


Brasil é a 1ª economia da América do Sul 

Cansados da economia em frangalhos, da inexistência de serviços públicos de qualidade e principalmente da falta de compromisso dos brasileiros com o trabalho, Luciano e Mônica, ambos de 42 anos, andavam há anos a estudar a ideia de emigrar. Até que numa noite de abril de 2016 um assalto a uma empresa de valores perto da casa onde viviam, em Santos, provocou um tiroteio e três mortes. O casal teve de passar a noite deitado no chão. Por causa da tensão, a filha de ambos, Júlia, vomitou. Foi ela, com 8 anos, quem sentenciou na manhã seguinte: “Quero ir embora do Brasil.”

“Hoje temos um café em Braga”, conta ao DN Luciano Blandy, advogado de formação. Descendente de portugueses e ingleses e com cidadania italiana, foi para Portugal, rodou pelo Norte até encontrar o café onde investiu cinco mil euros. “Agora já não tenho medo de levantar dinheiro à noite.” Além da segurança, o ex-advogado conta: “Aqui, apesar dos problemas, as pessoas têm compromisso com o que estão a fazer, têm uma vontade genuína de encontrar uma solução para os problemas. Mo Brasil é tudo paliativo, tudo para inglês ver.”

Christiano Mascaro, 41 anos, ainda não deu o passo definitivo. “Em maio vou a Lisboa fazer uma viagem de prospeção”, conta ao DN, “e pode ser o penúltimo passo antes da emigração”. Designer e ilustrador com longa carreira no país natal, Mascaro tem medo “do Brasil de amanhã”. “Desenha-se um conservadorismo brutal, a agenda que os evangélicos impõem é assustadora”, diz. “Portugal está a moldar-se a valores liberais com os quais me identifico, mais cosmopolita, mais aberto, livre de amarras que só trouxeram sofrimento e distorções.” Pelo contrário, diz, “o Brasil corrupto está a perder o seu aditivo, que era a espontaneidade e a tolerância, está em contramão e vai perder mais uma oportunidade”.

Corrupção, crise económica, insegurança, maus serviços públicos e agenda conservadora são os motivos apontados por uma certa classe média e alta para sair do Brasil – mas já eram mais ou menos essas as razões mencionadas há quatro anos, quando houve debandada geral para os Estados Unidos, em particular para a Florida. Na altura, médicos chegavam a abrir clínicas em Miami e cobravam fortunas para brasileiras endinheiradas darem à luz por lá e garantirem cidadania americana aos seus filhos.
()

Sem comentários: