[ Director: Mário Frota [ Coordenador Editorial: José Carlos Fernandes Pereira [ Fundado em 30-11-1999 [ Edição III [ Ano X

sexta-feira, 5 de maio de 2017

COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS LEVAM A “TAÇA” NO “CAMPEONATO” DAS RECLAMAÇÕES NO MERCADO DE CONSUMO


 
Consumidores reclamam, na sua maioria, das comunicações electrónicas: 83,6%, segundo se apurou.
Tais reclamações atingiram a cifra de 69 500 em 2016: um acréscimo de 9% ante os números de 2015.
O relatório da ANACOM – Autoridade Nacional de Comunicações – regista:
 . "Contrato de acesso ao serviço" - 15,7% do número global,
. "Cancelamento do serviço" - 14,4%,
. "Equipamento" -10,8%,
. "Facturação" - 10,5% e
. "Avarias" - 9,6%.
O serviço móvel, em primeiro lugar, e os pacotes de serviços, a seguir, registaram o maior número de reclamações.
Na telefonia móvel, assinale-se
. "Equipamento" - 35,1%).
. Contratos dos “pacotes” de serviços - 22,9%
. "Cancelamento do serviço" - 22,7% e
. "Avarias" - 13,3%.
Por operadora, NOWO (antiga Cabovisão) e NOS com índices de reclamações superiores à média no ano em referência, respectivamente com 7,1 e 6,1 de reclamações por mil consumidores
A Vodafone e a MEO com índices de reclamações nos “pacotes” acima da média: 6,4 e 4,8 por mil clientes, respectivamente.
A NOS, a operadora com maiores índices nos demais serviços.
Em contrapartida (e com referência ainda a 2015) as reclamações da MEO e da Vodafone foram as que mais aumentaram entre os principais operadoras, mais 0,8 e mais 0,5, respectivamente.
A MEO teve em 2016 mais 1.105 reclamações sobre "Avarias", mais 1.034 na "Alteração das condições contratuais" e mais 787 no "Cancelamento do serviço".
Na Vodafone, o acréscimo deveu-se sobretudo à "Facturação", que registou mais 418 reclamações, à "Alteração das condições contratuais", com mais 399, ao "Cancelamento do serviço", com mais 193, ao "Atendimento ao cliente e assistência técnica", com mais 147, e à "Venda do serviço", que registou  mais 143 reclamações.

Sem comentários: