A conta de luz mais barata ajudou a reduzir a inflação ao consumidor no Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI) de abril, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) na manhã desta terça-feira, 9. 

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) registrou alta de 0,12%, ante um avanço de 0,47% no mês anterior. Cinco das oito classes de despesa tiveram taxas de variação menores. A contribuição de maior magnitude partiu do grupo Habitação (de 1,10% em março para -0,69% em abril), com destaque para o comportamento do item tarifa de eletricidade residencial, cuja taxa passou de 6,15% para -6,22%. 

Também apresentaram decréscimos os grupos: Vestuário (de 0,11% para -0,47%), Despesas Diversas (de 0,90% para 0,13%), Educação, Leitura e Recreação (de -0,11% para -0,19%) e Alimentação (de 0,71% para 0,69%). Entre as principais influências estão os itens acessórios do vestuário (de 1,33% para -1,23%), cigarros (de 1,41% para 0,00%), salas de espetáculo (de 0,61% para -1,23%) e frutas (de 1,12% para -2,92%), respectivamente. 

Na direção oposta, as taxas foram maiores em abril nos grupos Comunicação (de -0,95% para 0,84%), Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,71% para 1,15%) e Transportes (de -0,30% para -0,14%), sob impacto de itens como tarifa de telefone residencial (de -3,55% para -0,21%), medicamentos em geral (de 0,03% para 2,67%) e gasolina (de -1,93% para -1,27%), respectivamente.

(...)