[ Director: Mário Frota [ Coordenador Editorial: José Carlos Fernandes Pereira [ Fundado em 30-11-1999 [ Edição III [ Ano X

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Gomas e pizzas à porta da escola. Mais que proibir, falta prevenção

Sociedade
Relatório da Organização Mundial da Saúde, que será apresentado hoje, revela que os jovens portugueses tendem a alimentar-se pior com a idade. Até têm cortado nos doces, mas não estão a comer mais fruta e vegetais. Adolescentes portuguesas são as menos ativas fisicamente


São 14h45, está quase a soar o toque para o regresso às aulas depois do intervalo para o almoço. A cinco minutos da hora de entrada, um grupo de raparigas compra as últimas gomas para o lanche. “Estamos mesmo atrasadas, não podemos falar agora. Viemos só comprar umas gomas para comer depois das aulas”, atiram antes de sair a correr.

Golfinhos, ursinhos, garrafas de coca--cola, pulseiras comestíveis, morangos, ovos, ossos: há todas as gomas no interior da cafetaria próxima da Escola Básica 2,3 Dom Fernando ii, no centro de Sintra. Todos os dias, vários adolescentes passam por lá para encher os bolsos de gomas e comer croissants antes, durante e depois das aulas. O i tentou falar com as funcionárias do estabelecimento, que se recusaram a prestar declarações, remetendo um esclarecimento para a proprietária. Esta não respondeu aos pedidos de contacto. O certo é que a Croissant e Companhia parece ser um dos sítios mais frequentados pelos alunos daquela escola, à procura de algo doce para ir comendo durante as aulas.

Ali perto, junto à Escola Secundária de Santa Maria, na Portela de Sintra, vários estabelecimentos vendem comida: um restaurante chinês, snack-bares com hambúrgueres e pizzas, cafés com pastilhas e gelados e até um Pingo Doce com refeições já prontas. “Os miúdos vêm aqui comer salames, folhados mistos, travesseiros de chocolate… Não há muitos a fazer uma alimentação equilibrada. Até quando pedem um prato um bocadinho mais saudável, enchem-no de ketchup e mostarda”, disse ao i Bruno, gerente do restaurante Mira Serra, mesmo à porta do liceu.

Os alunos frequentam este espaço de segunda à sexta, já são clientes conhecidos da casa – tanto os mais bem-comportados como os mais ousados: “Alguns até álcool tentam consumir aqui. Mas nós estamos atentos e pedimos sempre o documento de identificação antes de vender uma bebida alcoólica, só vendemos a quem já tem idade para consumir.”
 
(...)

Sem comentários: