[ Director: Mário Frota [ Coordenador Editorial: José Carlos Fernandes Pereira [ Fundado em 30-11-1999 [ Edição III [ Ano X

quarta-feira, 3 de maio de 2017

Os países mais endividados do mundo


Dinheiro Vivo
03.05.2017


A dívida pública portuguesa é a 22.ª mais elevada do mundo em termos de valor total da dívida e a sexta mais elevada em percentagem do PIB.

Fotogaleria 
Os países mais endividados do mundo
  
Estados Unidos 
  Os Estados Unidos lideram a lista dos países mais endividados do mundo, com uma dívida pública superior a 17 biliões de euros. 
«1 / 20   Fotografia: direitos reservados»
Os Estados Unidos, o Japão e a China lideram a lista dos países mais endividados do mundo em termos de valor total da dívida. Em percentagem do PIB, o ranking é liderado pelo Japão, pela Grécia e pela Eritreia. Os dados são do site datosmacro.com, do jornal espanhol Expansión.
Dos três países líderes em dívida pública, o Japão enfrenta a situação mais delicada. Isto porque é o país mais endividado em termos de percentagem do PIB (237,97%) e porque enfrenta uma redução acentuada da população ativa. A esperança média de vida no Japão é de 85 anos – a mais longa do mundo – e a taxa de natalidade é muito reduzida. O crescimento da economia do país deveria dobrar para que a redução da dívida se torne possível, diz o Expansión. 

O ranking altera-se quando se considera a dívida pública em percentagem do PIB: além do líder Japão, o top três inclui a Grécia, com 181% e a Eritreia, com 174%. Estados Unidos e China – os dois com a maior dívida em valor total, além do Japão – ocupam a 16.ª e a 106.ª posição, com 105% e 42%. 
 Nesta listagem, a dívida pública portuguesa é a 22.ª mais elevada do mundo, a rondar os 241 mil milhões de euros (dados de 2016). É a sexta maior em percentagem do PIB, com 130,40%. Importa lembrar que o Banco de Portugal deu ontem conta de um novo aumento em março, para 243,5 mil milhões de euros, o valor mais alto desde setembro do ano passado. 

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
(...)

Sem comentários: