[ Director: Mário Frota [ Coordenador Editorial: José Carlos Fernandes Pereira [ Fundado em 30-11-1999 [ Edição III [ Ano X

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Temos problemas de pele devido ao uso excessivo de cosméticos. E não o contrário


Cosméticos

Autor
Helena Magalhães

Quem o diz é a dermatologista alemã Yael Adler, no livro que se tornou um bestseller traduzido para mais de 20 países. O Observador falou com a médica para quem "menos é mais no que toca à cosmética".
Conversámos com Yael Adler sobre celulite, cremes anti-idade, bronze, limpeza de pele e botox. Será que estamos mesmo obcecados com a beleza?
HENRIQUE CASINHAS / OBSERVADOR

Temos quase dois metros quadrados de pele. É a nossa ligação com o mundo exterior, a nossa antena, a barreira que nos protege das doenças e o espelho do que se anda a passar dentro do nosso corpo. Se está bonita, limpa e brilhante, o nosso corpo estará igualmente bem. E todos os dias, de manhã à noite, é ela que enfrenta tudo aquilo que se atravessa no nosso caminho: a poluição, a temperatura, os radicais livres, a má alimentação, o sol… e também os produtos de beleza. Vivemos tão obcecados com a higiene que destruímos a pele com banhos e cosméticos que lhes tiram todas as proteções, para a seguir tentarmos reparar essa falta de proteção com cremes e mais cremes. Temos tantos problemas de pele devido ao uso excessivo de cosméticos. E não o contrário.

É isso que diz Yael Adler, a mais famosa dermatologista alemã no seu livro “O Fascinante Mundo da Pele” que provocou uma pequena revolução no seu país. Escrito numa linguagem simples e descomplicada, numa tentativa de chegar ao público mais alargado, já foi lançado em mais de 20 países e acaba de chegar a Portugal, numa edição Lua de Papel. O Observador conversou com Yael Adler sobre celulite, cremes anti-idade, bronze, limpeza de pele e botox. Será que estamos mesmo obcecados com a beleza?

Qual é a pior coisa que podemos fazer à nossa pele?
 
Fumar, apanhar banhos de sol, fazer tatuagens e usar demasiados cosméticos. A tinta das tatuagens nunca, nunca vai sair do corpo. Fica lá dentro, move-se pelo sistema linfático e chega aos órgãos. É fácil perceber porque é do mais tóxico que podemos fazer. Mas há mais coisas como adotar demasiados cuidados de pele e usar cosméticos com perfume. O ideal será optar sempre por produtos sem perfume, parabenos e colorantes. Mas, na prática, menos é mais no que toca aos cosméticos.

Mesmo para lavar o rosto?
 
Sim. Esqueçam os sabonetes ou os cosméticos de limpeza porque vão remover as barreiras e as gorduras naturais da pele. Não há nenhum creme que consiga imitar a especial combinação de lípidos que a pele tem. Então, é preciso deixá-la desenvolver as suas próprias barreiras protetoras. Os sabonetes têm um pH elevado e a pele demora cerca de oito horas a repor o pH que perdeu devido aos cremes e sabonetes. E isso é uma porta aberta para todos os fungos e bactérias. Lavar apenas com água e secar com uma toalha é o suficiente. Para quem usa maquilhagem, também pode apenas lavar com água. As partículas que possam ficar na pele não a vão perturbar. O que perturba é mesmo o sabonete, os desmaquilhantes e todos os produtos que usamos para limpar, tonificar e hidratar. Eu uso maquilhagem e lavo o rosto apenas com água e, nos olhos, onde tenho máscara de pestanas, uso um óleo para a remover.
(...)

Sem comentários: