[ Director: Mário Frota [ Coordenador Editorial: José Carlos Fernandes Pereira [ Fundado em 30-11-1999 [ Edição III [ Ano X

quinta-feira, 8 de junho de 2017

A inflação está a arrasar a sua poupança. Saiba o que fazer para a combater

Os maiores bancos pagam, em média, 0,08% num depósito a um ano. Há depósitos que remuneram 20 vezes mais. Mesmo assim, apenas duas aplicações rendem mais do que a inflação esperada para 2017 e 2018. 

Em abril, a inflação portuguesa foi de 1,98%, o valor mais elevado dos últimos quatro anos e meio. Os melhores depósitos a um ano oferecidos pelos cinco maiores bancos portugueses — Banco BPI, Caixa Geral de Depósitos, Millennium bcp, Novo Banco e Santander Totta — têm uma remuneração líquida de impostos de 0,08%, em média.

Os principais organismos económicos nacionais e internacionais, como o Banco de Portugal e o Fundo Monetário Internacional, preveem uma taxa de inflação de cerca de 1,5% em 2017 e 2018. É um problema: atualmente só há dois depósitos a prazo — o Boas-Vindas do Atlântico Europa e o Depósito Novos Clientes 2,25% do Banco Best — que remuneram com uma taxa anual líquida superior a 1,5%. Isto quer dizer que todos os depósitos a prazo concedidos por bancos no sistema financeiro português, excluindo aqueles dois, rendem menos do que se espera que a inflação tire nos próximos anos.

Há um problema adicional: o Boas-Vindas e o Depósito Novos Clientes 2,25% são aplicações promocionais que servem para captar novos clientes. Após os três meses de duração, esses depósitos não podem ser repetidos pelos clientes do Atlântico Europa e do Banco Best. Como aproximar o rendimento à taxa de inflação esperada?

Se é cliente frequente de depósitos bancários — as probabilidades dizem que é, porque 96,1% das famílias portuguesas são-no —, então tem de procurar o banco mais generoso na oferta de depósitos não promocionais. Depois de estudar meia centena de instituições financeiras, encontrámos o Banco BNI Europa: paga uma taxa anual efetiva líquida de impostos entre 0,15% a um mês e 1,43% a cinco anos em aplicações a partir de mil euros.
(...)

Sem comentários: