[ Director: Mário Frota [ Coordenador Editorial: José Carlos Fernandes Pereira [ Fundado em 30-11-1999 [ Edição III [ Ano X

quinta-feira, 29 de junho de 2017

Ainda há 21 edifícios municipais de Lisboa com amianto



 
por: João Pedro Pincha

28 de Junho de 2017


Quatro escolas, três quartéis de bombeiros e cinco cemitérios são alguns dos equipamentos ainda com este material. A câmara garante "um trabalho sistemático para resolver o problema"

Foto:  O edifício onde funciona a Assembleia Municipal de Lisboa é um dos que ainda têm amianto
Vitor Cid

Em Lisboa ainda há 21 edifícios municipais que têm coberturas em amianto. Quase três anos depois de a câmara municipal ter identificado 42 localizações com este material, algumas escolas, quartéis de bombeiros, cemitérios e outros equipamentos ainda aguardam obras.

Foi o vereador do Urbanismo que divulgou esta informação na reunião pública da câmara de quarta-feira. Manuel Salgado disse que, neste conjunto de 21 edifícios, estão quatro escolas, três quartéis do Regimento de Sapadores Bombeiros, o edifício onde funciona a Assembleia Municipal de Lisboa (antigo Cinema Roma), os complexos municipais de Alvalade e dos Olivais, o Pavilhão Preto do Museu de Lisboa, os ateliês da Quinta do Contador-Mor, a sede da Polícia Municipal, dois balneários, o pavilhão desportivo da Ajuda e ainda edifícios em cinco cemitérios: Prazeres, Ajuda, Benfica, Lumiar e Carnide.

O vereador disse que a intervenção nos três quartéis de bombeiros – Alto de Santo Amaro, Graça e Alvalade – está “em projecto”. E explicou que também as quatro escolas “estão em fase de projecto”, enquanto outras três já “estão com visto do Tribunal de contas, que saiu para iniciar a obra”.

O assunto foi levado à reunião por António Prôa, vereador do PSD, que quis saber qual o ponto de situação na retirada de amianto de edifícios municipais. Quando está em mau estado de conservação, o amianto pode libertar partículas para o ar e provocar danos na saúde – problemas cancerígenos, por exemplo.
()

Sem comentários: