[ Director: Mário Frota [ Coordenador Editorial: José Carlos Fernandes Pereira [ Fundado em 30-11-1999 [ Edição III [ Ano X

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Banco de Portugal prevê 2017 com maior crescimento do século

Rui  Peres Jorge
 
por: Rui Peres Jorge
 
 21.Junho.2017

Depois de em Março ter revisto em alta a previsão de crescimento de 1,4% para 1,8%, o banco central aponta agora para 2,5%. Desde 2000, só em 2007 se cresceu tanto. Economia desacelera depois.
Miguel Baltazar
Banco de Portugal prevê  2017 com maior crescimento do século
 
A economia portuguesa deverá crescer 2,5% este ano, um valor que nos últimos 17 anos só teve par em 2007. A economia desacelerará depois, mas crescerá ainda assim 2% em 2018 e 1,8% em 2019. Tratam-se de revisões significativas face aos valores apresentados há apenas três meses, que o banco central justifica com novas revisões em alta de vários agregados, com destaque para o investimento e as exportações.

"A actividade económica em Portugal deverá crescer ao longo do horizonte de projecção a um ritmo superior ao da área do euro e ao registado desde o início da recuperação económica. (…) Em 2019, o nível do PIB português deverá superar o observado antes da crise financeira internacional", lê-se numa nota divulgada à imprensa pelo banco central, que considera que "o padrão de crescimento económico projectado é consistente com uma recuperação sustentada da economia portuguesa".
O Banco de Portugal passa assim a ser a instituição pública mais optimista quanto à evolução da economia nacional este ano: o Governo apontou para 1,8% no Programa de Estabilidade, em linha com a Comissão Europeia (1,8%) e o FMI (1,7%), e a OCDE prevê 2,1%. Há, no entanto, previsões de outras instituições privadas que estão alinhadas com os números do banco central: a universidade Católica aponta para 2,4%,  o Montepio para 2,5% e o Santander para 2,6%, por exemplo.

O maior dinamismo da economia traduzir-se-á numa melhoria do mercado de trabalho, com o número de empregos a aumentar 2,4% este ano e 1,3% em 2018 e 2019, o que compara com as previsões anteriores de 1,6% em 2017, e cerca de 1% nos anos seguintes. 

(...)

Sem comentários: