[ Director: Mário Frota [ Coordenador Editorial: José Carlos Fernandes Pereira [ Fundado em 30-11-1999 [ Edição III [ Ano X

terça-feira, 13 de junho de 2017

“Crescente concorrência” obriga a corte do spread da casa no Banco CTT


 

O Banco CTT justifica a revisão em baixa, para 1,3%, do spread que oferece na concessão de crédito à habitação, com a pressão da concorrência desde que lançou a sua oferta nesse segmento em janeiro.
Menos de cinco meses depois de se estrear na concessão de crédito à habitação, o Banco CTT acaba de rever em baixa o spread oferecido. Quem quiser contrair um empréstimo para comprar casa através daquele banco, passa a contar com um spread desde 1,3%, abaixo dos 1,75% anteriores. O banco justifica essa revisão num intervalo de tempo tão curto face à sua estreia nesse segmento, com a “crescente competitividade”.

“O mercado do crédito à habitação está hoje mais competitivo do que quando o Banco CTT apresentou a sua oferta em janeiro, em virtude de revisões de oferta entretanto realizadas pelos principais concorrentes. É neste contexto de crescente competitividade que o Banco CTT apresenta esta revisão da oferta”, justificou fonte oficial da instituição financeira ao ECO.

“O Banco CTT tem sido consultado por um elevado número de portugueses que querem comprar ou trocar de casa, e quer, num contexto de crescente intensidade competitiva, continuar a apresentar uma proposta transparente que garanta, no geral, um valor mais baixo do que o cobrado pelos restantes bancos”, acrescenta a instituição.

Esta descida de spreads acontece um mês depois de outros três bancos também terem revisto em baixa as suas margens mínimas de spreads. Foi o que aconteceu com o Novo Banco, o BPI e o Banco Popular. Em maio, o Novo Banco cortou para 1,5% a sua margem mínima, ao mesmo tempo que o BPI e o Popular passaram a ter spreads mínimos de 1,75% e 1,70%, respetivamente, no mesmo mês. O spread que passa a estar em vigor no Banco CTT, fica agora apenas acima da margem mínima em vigor no Santander Totta e no Bankinter: 1,25%.
 
(...)

Sem comentários: