[ Director: Mário Frota [ Coordenador Editorial: José Carlos Fernandes Pereira [ Fundado em 30-11-1999 [ Edição III [ Ano X

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Famílias portuguesas nunca pouparam tão pouco


Os portugueses nunca pouparam tão pouco. A taxa de poupança das famílias situou-se em 3,8% do rendimento disponível no primeiro trimestre do ano, menos de 0,5 pontos percentuais que no trimestre anterior, de acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE). Uma evolução que é explicada sobretudo com o maior aumento do consumo do que dos rendimentos.


A taxa de poupança das famílias mede a parte do rendimento disponível que não é utilizado em consumo final, sendo calculada através do rácio entre a poupança bruta e o rendimento disponível das famílias.

Segundo o INE, “a taxa de poupança das famílias situou-se em 3,8% do rendimento disponível, menos de 0,5 p.p. que no trimestre anterior. (…) A redução da taxa de poupança resultou da variação mais intensa na despesa de consumo final que no rendimento disponível (taxas de variação de 1,0% e 0,5%, respetivamente)”.

Ou seja, o consumo aumentou ao dobro do ritmo de crescimento do rendimento disponível entre janeiro e março, baixando a taxa de poupança das famílias para o valor mais baixo desde o quarto trimestre de 1999, o primeiro trimestre para o qual há dados, mostram as Contas Nacionais Trimestrais publicadas pelo INE esta sexta-feira.
Taxa de poupança das famílias nunca esteve tão baixa.
ECO - Economia Online
(...)

Sem comentários: