[ Director: Mário Frota [ Coordenador Editorial: José Carlos Fernandes Pereira [ Fundado em 30-11-1999 [ Edição III [ Ano X

quinta-feira, 29 de junho de 2017

OCDE: Portugal perdeu 65 mil imigrantes em seis anos



por: Lusa
29-06-2017



O número de estrangeiros em Portugal tem vindo a diminuir com a balança migratória a apresentar um resultado negativo em 2015. O Brasil continua a ser o país de origem da maior parte dos imigrantes. 

O número de estrangeiros em Portugal diminuiu em 65 mil pessoas em seis anos para 389.000 em 2015, segundo um relatório sobre migração da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), hoje divulgado. Segundo o relatório, o número de estrangeiros em Portugal tem vindo a diminuir, apresentando na balança migratória um resultado negativo de 10.500 pessoas em 2015, embora menos acentuado do que em anos anteriores — -30.100 em 2014 e -37.400 em 2012.

O número de estrangeiros desceu para 389.000 pessoas em 2015, menos 1,6% do que em 2014, com a percentagem dos cidadãos oriundos de países lusófonos a abrandar e a situar-se nos 43,5% do total em 2015, indica. O número de novos residentes autorizados, que havia caído em 2013 para 33.200, aumentou para 37.900 em 2015, com 20.500 desses residentes a serem cidadãos da União Europeia e seus familiares, quando em 2013 eram apenas 15.200.

O Brasil continua a ter o maior peso na fatia dos novos residentes em Portugal, com 5.700 em 2015, o que representa uma percentagem de 15%. Segue-se a China, a Roménia, a França e Cabo Verde. O relatório indica também que, desde 2012, o número de mulheres imigrantes tem vindo a diminuir, tendo em 2015 representado menos de metade dos novos residentes em Portugal. Também o número de estudantes internacionais continuou a cair, tendo sido de 3.100 em 2015.

O número de pessoas que adquiriu a nacionalidade portuguesa desceu para 40.200 em 2015 — houve 52.400 pedidos –, com o Brasil e os países africanos de língua oficial portuguesa a representar 31% e 33% de todas as naturalizações.
(...)

Sem comentários: