[ Director: Mário Frota [ Coordenador Editorial: José Carlos Fernandes Pereira [ Fundado em 30-11-1999 [ Edição III [ Ano X

quinta-feira, 8 de junho de 2017

Portugal destacado em relatório sobre energias renováveis

Sociedade 
 
Transição para energias renováveis está a tornar-se mais económica, revela relatório internacional

Shutterstock 
 
É uma nota discreta, mas é um dos destaques sobre Portugal divulgados ontem no relatório da rede REN21 que analisa a transição para as energias renováveis a um nível global. “Durante vários dias em maio de 2016, Portugal garantiu toda a sua procura de eletricidade com energias renováveis domésticas, o que em parte se deve à capacidade de o país usar sistemas de armazenamento por bombeamento para equilibrar oferta e procura.” As linhas são uma referência aos quatro dias e meio em que Portugal viveu apenas de energia limpa, sem ser preciso recorrer a importação. O recorde de 107 horas consecutivas neste regime, entre as 6h45 do dia 7 de maio e as 17h45 do dia 11, ainda não se repetiu.

Segundo os dados apresentados, é na energia eólica que o país está mais bem posicionado. Portugal é o terceiro país na UE-28 com maior percentagem de eletricidade garantida por energia eólica, só atrás de Dinamarca e Irlanda. Em 2016, a Dinamarca garantiu 37,6% do seu consumo, a Irlanda 27% e Portugal 24%. O documento assinala ainda os dois incentivos lançados no país para promover a eficiência energética nos edifícios.

Renováveis mais económicas

A conclusão central do documento é que os países estão a conseguir instalar maior potência de energias renováveis a um custo mais económico do que no passado. De acordo com a análise, em 2016 foi conseguido um recorde de 161 gigawatts (GW) de potência renovável instalada e os valores de investimento foram 23% menores que em 2015.

O relatório indica ainda um aumento da capacidade global total em quase 9% – para aproximadamente 2017 GW – por comparação com o ano de 2015. O solar fotovoltaico contribuiu com quase 47% da nova potência instalada, seguido pela eólica, com 34%, e pela energia hidroelétrica, com 15,5%.
(...)

Sem comentários: