[ Director: Mário Frota [ Coordenador Editorial: José Carlos Fernandes Pereira [ Fundado em 30-11-1999 [ Edição III [ Ano X

quinta-feira, 29 de junho de 2017

Vítimas de bullying tem mais probabilidade de desenvolver problemas alimentares

Saúde
Imagem Desdobramento
 
Um estudo recente mostra que há relação entre bullying e problemas de comportamento alimentar:“experiências de bullying na adolescência e consequentes perceções de inferioridade poderão estar na base de uma relação conflituosa com a alimentação e com a imagem corporal, podendo levar à obesidade e a patologias associadas como a depressão”. Esta é a principal conclusão do projeto que juntou investigadores da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra (FPCEUC) e da Faculdade de Medicina e Saúde da Universidade de Leeds, no Reino Unido.
Cristiana Duarte, investigadora principal do projeto do qual resultou a sua tese de doutoramento, justifica que “quando as adolescentes atribuem ao corpo a razão pela qual são vítimas de bullying podem começar a adotar comportamentos alimentares desregulados, como forma de corrigir aquilo que percecionam como uma inferioridade”.

A equipa avaliou também o problema na população adulta, a partir da autoavaliação com base em memórias de experiências negativas da infância e da adolescência, bem como em experiências na idade adulta associadas a vergonha e a dificuldades de regulação emocional e do comportamento alimentar. De uma forma geral, “as memórias deste tipo de experiências negativas na infância e adolescência associam-se também a vergonha corporal na idade adulta”, afirma Cristiana Duarte, acrescentando que a situação se agrava em mulheres com excesso de peso e obesidade.

No entanto, a investigadora da Universidade de Coimbra refere que esta situação não se limita ao universo feminino: “a vergonha corporal, o autocriticismo e tentativas de evitamento destes estados internos negativos parecem estar relacionados com uma pior regulação do comportamento alimentar, nomeadamente com sintomas de ingestão alimentar compulsiva, e a dificuldades na perda de peso. Estas dimensões parecem ser também muito importantes na ocorrência de episódios de descontrolo alimentar no sexo masculino”, conclui.

Conclusões alertam para a necessidade de incluir no SNS abordagens inovadoras

(...

Sem comentários: