[ Director: Mário Frota [ Coordenador Editorial: José Carlos Fernandes Pereira [ Fundado em 30-11-1999 [ Edição III [ Ano X

terça-feira, 11 de julho de 2017

Está em curso a sexta extinção em massa na Terra e é mais grave do que se pensava



 

PÚBLICO

11.Julho.2017


Um novo estudo concluiu que milhares de milhões de mamíferos, aves, répteis e anfíbios desapareceram em todo o mundo desde o início do século XX. "Uma aniquilação biológica", consideram os autores. E o tempo para a inverter é curto.

Foto: Reuters/HANDOUT
 
 Um novo estudo chegou à conclusão de que milhares de milhões de mamíferos, aves, répteis e anfíbios desapareceram em todo o mundo, o que serve de fundamento aos investigadores para afirmar que está em curso a sexta extinção em massa e que está a ocorrer mais rapidamente do que o era pensado.

Publicado no PNAS, o estudo foi conduzido pelo mexicano Gerardo Ceballos, Paul R. Ehrlich e Rodolfo Dirz. Os investigadores estudaram a redução das populações em espécies existentes, raras e comuns, em vez de analisarem o número de espécies extintas ou em perigo de extinção, processo normalmente utilizado para se perceber a magnitude do problema. Em concreto, verificaram a situação de 27.600 espécies de vertebrados terrestres – entre aves, répteis, anfíbios e mamíferos – desde o ano 1900.

Mas para se chegar a conclusões foi necessário contornar um obstáculo que se colocou perante a análise: o facto de não existirem registos fiáveis sobre algumas das espécies analisadas no início do século XX, nem mesmo actualmente. Assim, o método utilizado foi diferente e centrou-se na geografia. Isto é, qual era a distribuição geográfica de cada espécie em 1900 e qual é a actual. Desta forma, foi possível calcular a dimensão das respectivas populações.

Os resultados, segundo os autores, são alarmantes: um terço das espécies (8851) já não está presente na maior parte do seu território original. Além disso, descobriu-se que muitas populações regionais e locais desapareceram completamente. Ou seja, quase todas as espécies estudadas perderam população ou extinguiram-se localmente.
(...)

Sem comentários: