[ Director: Mário Frota [ Coordenador Editorial: José Carlos Fernandes Pereira [ Fundado em 30-11-1999 [ Edição III [ Ano X

segunda-feira, 31 de julho de 2017

Preço diferente de ingressos para homens e mulheres passa a ser ilegal; Procon já ciente

Cidade



 28.07.2017
Bares e casas noturnas

Determinação é do Ministério da Justiça e passa a valer a partir de agosto. Estabelecimento que não cumprirem a recomendação serão autuados




Homens e mulheres terão que pagar o mesmo valor para entrarem em uma balada, bar ou restaurante, segundo determinação do Ministério da Justiça
( Foto: Divulgação )
Image-0-Artigo-1534777-1 
Prática comum principalmente entre os bares e casas noturnas de todo o País, a diferenciação de preços entre homens e mulheres, no que diz respeito aos ingressos para tais estabelecimentos, passará a ser oficialmente ilegal a partir deste mês de agosto, segundo determinação do Ministério da Justiça e Segurança Pública. O artifício nunca teve respaldo constitucional ou do Código de Defesa do Consumidor (CDC), mas não era muito fiscalizado pelos órgãos responsáveis. Agora, os locais que descumprirem a orientação serão autuados.

"Esse tipo de ação não tem nenhum respaldo constitucional. Não há nada que justifique esta diferenciação de gêneros, que fere o princípio da dignidade da pessoa humana", afirma o coordenador jurídico do Procon Fortaleza, Airton Melo. Conforme diz, o Programa de Proteção e Defesa do Consumidor da Capital cearense já está ciente da orientação do Ministério da Justiça e deve, provavelmente em agosto, posicionar-se sobre as medidas que serão tomadas para cumpri-la.

Segundo Melo, ainda não há nenhuma ação específica prevista para fiscalizar os estabelecimentos de Fortaleza, mas este tipo de operação não deve demorar a ocorrer.

Posição do Ministério da Justiça

Em nota técnica publicada no fim do último mês de junho, o Ministério da Justiça informou que a nova determinação visa combater a "discriminação de gêneros nas relações de consumo, vez que a mulher não é vista como sujeito de direito na relação de consumo em questão e sim com um objeto de marketing para atrair o sexo oposto aos eventos, shows, casas de festas e outros".

(...)

Sem comentários: