[ Director: Mário Frota [ Coordenador Editorial: José Carlos Fernandes Pereira [ Fundado em 30-11-1999 [ Edição III [ Ano X

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

A escolha do consumidor é "qualidade"

José Borralho
in "DN - Opinião"
31 de Agosto de 2017

Afinal o que orienta a decisão dos portugueses na hora de comprarem: as promoções ou a qualidade? 

Depois de nos últimos meses muito se falar sobre a preferência dos consumidores pelas promoções, foi apresentado ao mercado o estudo de tendências da Escolha do Consumidor que nos diz que a qualidade é o que reúne o consenso na hora da compra. Mas, afinal, qual é que está certo? 

Na verdade, nenhum está errado, importa é contextualizar as respetivas conclusões.

Se perguntar ao leitor o que lhe importa quando compra um determinado bem, o seu impulso é responder de imediato "o preço", ou seja, a vertente promocional, pois o que quer dizer é que gosta de fazer a melhor compra ao melhor preço. Mas será mesmo o preço que quer referir? Ou no seu subconsciente o que está presente é a relação qualidade-preço?

Imagine o leitor, se não estiver em caso de extrema pobreza onde uma qualquer refeição é um luxo, que entra num restaurante para almoçar. 

Depois de olhar para o menu, conclui: 
1) o prato do dia custa cinco euros mas não é do seu agrado; 
2) o restaurante também não é afamado por esse prato; 
3) no menu encontra um prato, esse sim do seu agrado e cujo restaurante é famoso por ele; 
4) mas custa oito euros... qual a sua decisão? 

Pagar mais três euros por algo que o vai satisfazer ou poupá-los, optando por algo que o vai (já sabe) desiludir? Preço ou qualidade? A esta equação pelo leitor designamos na gíria da gestão a "relação qualidade-preço" ou value for money, ou seja, damos maior valor ao preço pago, beneficiámos de um conjunto de características que valorizamos e por isso estamos dispostos a pagar mais.

É isto que se está a passar maioritariamente no mercado, independentemente da categoria de consumo, o consumidor privilegia o "valor" do que paga e a qualidade do que paga. 

No primeiro caso, o "valor" (value for money) reveste-se de diversas formas em função do que compramos, na oferta de vantagens em acordos/parcerias, condições de contratação, quantidade/preço, segurança, etc. No que respeita à qualidade, o consumidor espera, dependendo do que está em causa comprar, a eficácia, qualidade do material e testes/avaliações que comprovam os seus benefícios. Resumindo o preço por si só não basta se à marca não for associada qualidade reconhecida.

Por outro lado, há aspetos que têm vindo a adquirir maior relevância para os consumidores, como o "foco no cliente", que em algumas categorias são traduzidos no apoio ao cliente, na clareza de informação, no conhecimento técnico. 

Outro dos pontos de destaque é o da "conveniência" que agrega aspetos, em loja, como a atmosfera agradável, facilidade de acesso, horários e localização.

E as promoções surgem no estudo? Sim, mas aqui não apenas como referência ao preço mais baixo e a amostras, mas na forma da procura de novidades, novos lançamentos e associadas a campanhas de fidelização. Já agora, caro leitor, a sua escolha no restaurante foi o prato de oito, com o qual se deliciou, certo? É a escolha do consumidor!



Sem comentários: