[ Director: Mário Frota [ Coordenador Editorial: José Carlos Fernandes Pereira [ Fundado em 30-11-1999 [ Edição III [ Ano X

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

Restaurantes cobram por toalhas de mesa, gelo e idas à casa de banho

Associação espanhola de defesa dos consumidores denuncia abusos de estabelecimentos de restauração.

A Facua, uma associação espanhola de defesa dos consumidores, denunciou abusos de restaurantes e hotéis que cobram ao cliente pelo serviço de lavandaria das toalhas de mesa, pelo gelo nas bebidas ou pelas idas à casa de banho.
Trata-se de uma prática tão ilegal e absurda como cobrar um extra pela limpeza da mesa, pelo facto dos copos não estarem sujos ou pelas facas estarem afiadas, disse Rubén Sánchez, porta-voz da associação, ao El País.
De acordo com a Facua, cobrar um extra pelo gelo para as bebidas ou pedir mais dinheiro para cobrir as despesas com as limpezas das casas de banho são outros dos abusos “mais surrealistas”. Além destes, há outros mais comuns, como não incluir as bebidas na carta para cobrar preços desproporcionais por elas ou indicar que a carne, o peixe e o marisco têm “preços de acordo com o mercado” sem especificar quais são.

A associação observou ainda que muitos bares e restaurantes têm listas de preços que não incluem o IVA, o que é proibido.
Esta é uma prática expressamente proibida pelas regras da defesa do consumidor, que obrigam a indicar sempre os preços finais, incluindo os impostos, sem que os consumidores tenham que realizar nenhuma operação matemática para saberem quanto têm que pagar”, reiterou Rubén Sanchéz, segundo o El País.
Em relação a suplementes no preço para servir à mesa em estabelecimentos onde também se pode comer e beber ao balcão, a associação afirma que isso é permitido.
São legais, mas apenas quando a carta indica os preços dos produtos de acordo com o sítio onde são servidos. O que não é permitido é limitarem-se a indicar que o cliente tem que pagar um tanto porcento a mais”, explica o porta-voz da Facua, em declarações ao El País.
No início de agosto, um restaurante do centro de Lisboa esteve em destaque nas notícias e nas redes sociais por praticar preços exorbitantes, muito acima da média. Uma refeição de marisco no restaurante "Made in Correeiros" pode chegar perto dos 300 euros. A ASAE afirmou que não há ilegalidade desde que os preços estejam afixados.

 

Sem comentários: