[ Director: Mário Frota [ Coordenador Editorial: José Carlos Fernandes Pereira [ Fundado em 30-11-1999 [ Edição III [ Ano X

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Água suja e ratazanas mortas levam à interdição de banhos na Praia de Carcavelos

Interdição "foi absolutamente necessária para garantir a segurança dos banhistas", justifica o delegado de saúde.

Rui Gaudêncio Rui Gaudêncio


Os banhos na praia de Carcavelos estão interditos desde as 9h desta quinta-feira, devido a problemas relacionados com a qualidade da água. Em causa está o galgamento de ribeiras localizadas perto daquela praia, após a forte precipitação ocorrida no início da semana.
O comandante da capitania do Porto de Cascais, Mário Fonte Domingues, confirmou ao PÚBLICO que esta situação foi causada pelo galgamento dos açudes colocados nas ribeiras da zona, o que levou águas sujas para a praia de Carcavelos. O comandante aponta como causa directa as fortes chuvadas de segunda-feira, dia 28 de Agosto. De acordo com Mário Fonte Domingues, a Câmara Municipal de Cascais assegura que não foram feitas descargas de esgoto na passada segunda-feira.
Apesar da proibição, não há razão para alarmismos: “é por uma questão de precaução”, avançou o comandante. Mário António Fonte Domingos garante à Lusa que, até ao momento, não houve qualquer queixa por parte dos banhistas a eventuais efeitos adversos das águas.
A interdição foi pedida pelo delegado de Saúde de Carcavelos, como medida de precaução. À agência Lusa, Mário Durval, delegado regional de Saúde, garante que esta medida “foi absolutamente necessária para garantir a segurança dos banhistas”.
"Depois de na terça-feira ter chovido como choveu e de nos termos deparado com um cenário em que tínhamos as águas sujas, ratazanas mortas, não hesitei em mandar interditar a praia. Não havia necessidade de correr riscos desnecessários", referiu Mário Durval à agência Lusa.
A Câmara Municipal de Cascais e a Agência do Ambiente já recolherem amostras das águas para análise. Os resultados são esperados na sexta-feira.
Entretanto, contactada pela Lusa, fonte da Câmara Municipal de Cascais remeteu uma tomada de posição para mais tarde.



Sem comentários: