[ Director: Mário Frota [ Coordenador Editorial: José Carlos Fernandes Pereira [ Fundado em 30-11-1999 [ Edição III [ Ano X

terça-feira, 12 de setembro de 2017

Banca fechou quase dois mil balcões desde a chegada da troika


 
FUTURO DA BANCA
 
Dinheiro Vivo
 
12.09.2017



Apesar do fecho de balcões nos últimos anos, está garantida a presença de pelo menos um grande banco nos 308 concelhos de Portugal

Santander Totta foi o banco que liderou fecho de balcões, na sequência da integração da rede do Banif. 
Fotografia: Fábio Poço/Global Imagens
 
 Os bancos instalados em Portugal fecharam quase dois mil balcões desde 2011, o ano da entrada da troika. Os dados são da Associação Portuguesa de Bancos (APB), cujos associados representam mais de 90% do ativos de todo o sistema financeiro nacional. Entre 2011 e 2016, foram encerrados 1852 balcões, uma redução de 29%. Em 2011, existam 6306 balcões, contra os 4454 registados no final do ano passado, segundo os cálculos revelados esta terça-feira pelo Jornal de Negócios.
 
O processo de fecho de balcões foi liderado pelo Santander Totta (256), na sequência da compra do Banif e da integração da rede desta instituição. Muito de perto seguiu-se o BCP, com o encerramento de 255 agências, em troca da ajuda do Estado para cumprir as regras de solidez. O Novo Banco ficou em terceiro lugar, com o fecho de 188 balcões. BPI (158 agências) e Caixa Geral de Depósitos (143 sucursais) completam o top-5.
 
Apesar do fecho de balcões nos últimos anos, está garantida a presença de pelo menos um grande banco nos 308 concelhos de Portugal, mesmo com o fecho das sucursais da Caixa Geral de Depósitos em Marvão e na Golegã. Nestes dois concelhos existe uma agência do Santander Totta e BPI, respetivamente. O banco público, ainda assim, é o banco com maior dispersão geográfica. 
 
Em termos de bancários, as reduções começaram em 2010, depois do pico alcançado no ano anterior. Entre o final de 2009 e o final de 2016, a banca perdeu 12 208 pessoas (-20,9%), entre despedimentos, rescisões amigáveis e reformas antecipadas.
 
 (...)

Sem comentários: