[ Director: Mário Frota [ Coordenador Editorial: José Carlos Fernandes Pereira [ Fundado em 30-11-1999 [ Edição III [ Ano X

terça-feira, 5 de setembro de 2017

Governo desmente e diz que ovos contaminados não estão à venda em Portugal

5 Set 2017 10:13
SAPO Lifestyle 



O Ministério de Agricultura garantiu hoje que não há ovos contaminados com pesticida tóxico à venda em Portugal e que o caso reportado às autoridades europeias refere-se a um português que comprou na Bélgica ovos contaminados. A notícia foi avançada pela TSF. 


 


Fonte do Ministério da Agricultura sublinhou que "não há ovos contaminados no mercado em Portugal" e que o que lançou o alerta às autoridades europeias foi o caso de uma transação na Bélgica com ovos que estavam sinalizados e foram comprados por um cidadão português.

"Em Portugal não foram produzidos ovos contaminados nem foram detetados produtos confecionados com derivados de ovos contaminados", afirmou a fonte, explicando: "O que houve foi uma transação na Bélgica de ovos que estavam sinalizados".

Segundo a mesma fonte, explicou, desde que começaram a surgir as primeiras notícias sobre o assunto, em julho, a Direção-Geral de Alimentação e Veterinária foi para o terreno e, desde então, não detetou quaisquer ovos com este produto.

De acordo com a mais recente lista da Comissão Europeia, Portugal seria um dos 26 Estados-membros afetados pelo comércio ou distribuição de ovos contaminados com o pesticida tóxico fipronil. Segundo os dados mais recentes, na União Europeia só na Croácia e a Lituânia não foram ainda detetados ovos contaminados, uma crise que atinge ainda a Noruega, o Liechtenstein, a Suíça e a Rússia.

O escândalo dos ovos contaminados atinge ainda 16 países de outros continentes, incluindo Angola e Hong Kong. Na Bélgica, o primeiro país a notificar Bruxelas, a 20 de julho, 30 explorações agrícolas estão ainda encerradas, na Holanda 144, na Alemanha cinco, em França uma, em Itália dez e na Hungria duas.

Fipronil proibido pela OMS

O uso deste pesticida, um antiparasitário forte, é expressamente proibido em animais destinados ao consumo humano.

Os estudos mais recentes encomendados pela União Europeia indicam que o pesticida pode danificar o sistema nervoso central do ser humano, assim como provocar o aumento da massa hepática, danos renais e alterações na produção das hormonas formadas na gândula tiróide.

Sem comentários: