[ Director: Mário Frota [ Coordenador Editorial: José Carlos Fernandes Pereira [ Fundado em 30-11-1999 [ Edição III [ Ano X

quarta-feira, 25 de outubro de 2017

Comissão divulga estudo sobre roaming na UE

DESTAQUES 

DESTAQUES

Ouvir com ReadSpeaker
25.10.2017
De acordo com o inquérito Eurobarómetro, os europeus têm conhecimento da existência das novas regras de roaming e a grande maioria reconhece as vantagens do fim das tarifas adicionais (Roam like at home) na União Europeia (UE). No entanto, o comportamento dos europeus, antes e depois do fim das taxas adicionais de roaming, ainda não se alterou significativamente.

A Comissão Europeia (CE) divulgou, a 26.09.2017, os resultados do inquérito Eurobarómetro sobre o nível de informação dos europeus sobre as novas regras de roaming na UE após 15.06.2017. O Inquérito foi realizado a 26 574 cidadãos dos 28 países da UE, dos quais 1002 eram cidadãos em Portugal.

Os resultados do inquérito permitiram concluir o seguinte:
  1. Percentagem de cidadãos que têm conhecimento de que as taxas adicionais de roaming foram suprimidas: 71% dos europeus e 66% dos portugueses.
  2. Percentagem de cidadãos que pensam que eles próprios - ou alguém que conhecem - beneficiarão com o fim dessas tarifas adicionais: 72% e 67% dos portugueses.
  3. Percentagem de cidadãos que têm conhecimento de que, desde 15.06.2017, pagam o mesmo por comunicações em roaming dentro da UE e no seu país de origem: 86% dos europeus e 84% dos portugueses.
  4. Percentagem de cidadãos que restringia o uso do telemóvel noutro Estado-membro antes do fim das taxas adicionais de roaming: 66% dos europeus e 45% dos portugueses.
  5. Percentagem de cidadãos que ainda restringe o uso do telemóvel noutro Estado-membro, após o fim das taxas adicionais de roaming: 60% de europeus e 42% dos portugueses.
Dentro do Espaço Económico Europeu (EEE) - países da União Europeia, Islândia, Noruega e Liechtenstein -  desde 15.06.2017, que os operadores estão obrigados a implementar o Roam Like at Home (RLAH), exceto se demonstrarem ao regulador não conseguir recuperar os custos em que incorrem, associados à prestação dos serviços de roaming.

(...)

Sem comentários: