[ Director: Mário Frota [ Coordenador Editorial: José Carlos Fernandes Pereira [ Fundado em 30-11-1999 [ Edição III [ Ano X

terça-feira, 10 de outubro de 2017

Crédito ficou mais caro para as empresas e famílias em agosto

Segundo as notas estatísticas de agosto do Banco de Portugal os empréstimos concedidos pelos bancos às famílias para habitação e às empresas diminuíram em agosto para 2,3% e 2,6%, respetivamente, enquanto os empréstimos ao consumo aumentaram 9,5%.


O Banco de Portugal divulgou hoje as notas de informação estatística onde analisa as taxas de juro de novas operações de empréstimos e depósitos e o volume de empréstimos e depósitos bancários. Nelas se vê que o preço do crédito está a aumentar quer para as empresas, quer para as famílias. Mas os juros de depósitos só subiram para as empresas, para os particulares continuaram a cair. O volume de depósitos de particulares caiu por via de uma canalização das poupanças para OTRV (dívida do Estado para investidores particulares).

Os empréstimos concedidos pelos bancos às famílias para habitação e às empresas diminuíram em agosto para 2,3% e 2,6%, respetivamente, enquanto os empréstimos ao consumo aumentaram 9,5%.

Em agosto de 2017 a taxa de juro média dos novos empréstimos concedidos a sociedades não financeiras (empresas) foi de 2,75%, o que representa um aumento de 3 pontos base (p.b.) em relação a julho. Por segmento, a taxa de juro das operações abaixo de 1 milhão de euros aumentou 9 p.b. para 3,14%; pelo contrário, a taxa das operações acima de 1 milhão de euros diminuiu 14 p.b. para 2,13%.



O volume de novos empréstimos concedidos a empresas não financeiras, em agosto, foi de 2.045 milhões de euros, montante inferior aos 2.553 milhões de euros registados em julho.


(...)

Sem comentários: