[ Director: Mário Frota [ Coordenador Editorial: José Carlos Fernandes Pereira [ Fundado em 30-11-1999 [ Edição III [ Ano X

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

Está mais caro construir. A culpa é dos materiais




por: Ana Margarida Oliveira e Lusa
06-10-2017

Em agosto, os custos de construção de habitação nova aceleraram ligeiramente em relação a julho e 1,6% em relação ao mesmo mês do ano passado. 

Os custos de construir de raiz em Portugal continental aumentaram 1,6% em agosto, em comparação homóloga. Os materiais foram a componente que mais encareceu. Mas também os preços de manutenção e reparação regular da habitação aumentaram — e a subida foi ainda mais acentuada.

A subida homóloga de 1,6% no Índice de Custos de Construção de Habitação Nova foi suportada pelo aumento do preço dos materiais, que cresceu 0,8% desde agosto de 2016, nota o INE. Os custos com a mão-de-obra são os mais pesados, mas mantiveram-se nos 2,1%, não tendo desta forma contribuído para a aceleração do índice. Em relação a julho, o índice avançou 0,1 pontos percentuais. 
A construção de apartamentos e moradias aceleram de mãos dadas, sem qualquer distinção.

Já os preços de manutenção e reparação regular da habitação subiram 2,5% em relação ao mesmo período do ano anterior, apesar de se registar uma quebra de 0,1 pontos percentuais relativa a julho. A região em que estes custos mais cresceram foi em Lisboa — 4,8%. O Alentejo e o Algarve foram as únicas áreas no continente a verem estes preços cair, uma variação de 0,1%.

O Banco de Portugal nota que o investimento em habitação tem crescido bem acima do ritmo da atividade económica. Mas grande parte dos capitais são próprios e vêm de fora, pelo que para já não parece existir uma bolha no mercado imobiliário.

(...)

Sem comentários: