[ Director: Mário Frota [ Coordenador Editorial: José Carlos Fernandes Pereira [ Fundado em 30-11-1999 [ Edição III [ Ano X

terça-feira, 14 de novembro de 2017

FinCoNet destaca iniciativas do Banco de Portugal para facilitar abertura de conta nos canais digitais


Os recentes diplomas emitidos pelo Banco de Portugal para facilitar a abertura de conta de depósito exclusivamente através de canais digitais são um dos temas em destaque na mais recente edição da newsletter da Organização Internacional para a Proteção do Consumidor Financeiro (FinCoNet), através de um artigo da responsabilidade do Banco de Portugal.

No artigo “Banco de Portugal regulates the opening of bank deposit accounts exclusively through digital channels” (em português, “O Banco de Portugal regulamenta a abertura de conta de depósito exclusivamente através de canais digitais”), o Banco de Portugal descreve a sua iniciativa para facilitar a comercialização de produtos e serviços bancários através de canais digitais, sem comprometer a segurança e o combate ao branqueamento de capitais e ao financiamento do terrorismo. Além de responder às novas expetativas e necessidades dos clientes bancários, esta iniciativa visou ainda assegurar condições de equidade entre as instituições de crédito sediadas em Portugal e as sediadas noutros países da União Europeia.

Esta edição da newsletter contempla outros temas de relevo para as autoridades de supervisão comportamental, nomeadamente relacionados com a inovação tecnológica no setor financeiro. Salientam-se a experiência da Indonésia para fazer face aos desafios trazidos pelas FinTech e o artigo do Grupo Consultivo de Assistência aos Mais Pobres (CGAP) sobre as regulatory sandboxes (ambientes de testes de produtos e serviços financeiros inovadores propiciados pelos reguladores do setor) e a sua relevância para a inclusão financeira. 

A newsletter da FinCoNet tem três edições anuais e é um meio privilegiado para a divulgação das boas práticas e experiências das diversas autoridades de supervisão responsáveis pela proteção do consumidor financeiro.
(...)

Sem comentários: