[ Diretor: Mário Frota [ Coordenador Editorial: José Carlos Fernandes Pereira [ Fundado em 30-11-1999 [ Edição III [ Ano XII

sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

ADVERTÊNCIAS E RECOMENDAÇÕES AOS VIAJANTES



As mais recentes atualizações da Secretaria de Estado das Comunidades:


Lista de Países:

Arábia Saudita
2017-12-29
Aviso
Desde Março de 2015, a Arábia Saudita está diretamente envolvida no conflito militar que decorre no Iémen. Tem sido desde então frequente o disparo de mísseis daquele país, com cidades fronteiriças sauditas como alvo. Porém, em Outubro de 2016, mísseis balísticos disparados do Iémen foram intercetados sobre o deserto a cerca de 600 km da fronteira, sem provocarem vítimas ou estragos, mas já bem no interior do território da Arábia Saudita, perto das cidades de Meca e Jeddah. Em 2017 foram surgindo notícias, não confirmadas, de novos disparos de mísseis, mas que provavelmente se terão despenhado no deserto, sem provocar estragos.
Em 4 de novembro e em 19 de dezembro de 2017, dois mísseis disparados pelos rebeldes iemenitas foram abatidos pela defesa antimíssil saudita, em Riade. Os dois incidentes foram bem vistos, sentidos e ouvidos em várias zonas da cidade de Riade e foram ambos reportados pela imprensa, provocando alarme, mas sem quaisquer vítimas ou estragos consideráveis. O funcionamento do aeroporto de Riade prosseguiu. A situação continuará a ser acompanhada atentamente.
Corte de relações diplomáticas com o Qatar: O Governo saudita decidiu encerrar todas as suas fronteiras terrestes, marítimas e aéreas com o Qatar, com efeito a 6 de Junho de 2017, assim como proibir a entrada de pessoas e meios de transporte provenientes do Qatar no seu território. Assim, as ligações terrestres, marítimas e aéreas com o Qatar estão afectadas, incluindo os voos com origem ou destino em Doha.
Em face do exposto, recomenda-se aos Portugueses, antes de iniciarem viagens, um contacto com as suas agências de viagem ou companhias aéreas, para verificarem eventuais alterações ou cancelamentos dos seus itinerários.
As viagens à Arábia Saudita apresentam alguns riscos. Registaram-se recentemente incidentes com cidadãos estrangeiros, alguns com origem terrorista. Em Julho de 2016, aconteceram atentados terroristas em Jeddah, Qatif e Medina, e há igualmente notícias recentes de ataques bombistas reivindicados pela organização terrorista “Daesh” (ou "Estado Islâmico") contra mesquitas xiitas na Província Oriental da Arábia Saudita, junto ao Golfo, com vítimas mortais entre a população local. Têm-se registado também, com alguma frequência, ataques contra agentes policiais em várias zonas do país.
Face a estes acontecimentos, é possível que ataques deste género ocorram noutros locais, incluindo hotéis, centros comerciais ou instalações petrolíferas. Há também o receio de que estrangeiros de certas nacionalidades ocidentais possam ser escolhidos como alvos.
Embora não exista sinal de que Portugal e ou os cidadãos portugueses sejam especificamente visados, a situação insere-se num contexto regional mais vasto e complexo de instabilidade no Médio Oriente, com eventuais consequências nos níveis de segurança para qualquer pessoa.
Assim, recomenda-se uma postura de vigilância reforçada em particular nas deslocações a sítios onde haja previsivelmente uma grande afluência de público.
Aconselha-se ainda os cidadãos nacionais residentes ou em trânsito a proceder ao registo junto da secção consular da Embaixada de Portugal em Riade ou comunicar os dados das suas viagens (v. condições de segurança).
Alerta-se para que a Embaixada não pode interferir nas decisões decorrentes do direito interno da Arábia Saudita. Alerta-se também para que qualquer diferendo ou alegação negativa contra qualquer um podem facilmente conduzir a dificuldades com as Autoridades, que podem ser seguidas de interrogatórios, detenções, remoção de passaporte ou retenção no país (por recusa do visto de saída) enquanto o assunto estiver a ser esclarecido. Embora a Embaixada possa acompanhar o assunto, não pode intervir em processos administrativos, jurídicos, judiciais ou judiciários. Na prática não existem prazos legais para a resolução de casos de tal natureza.
Sublinha-se que o álcool é proibido na Arábia Saudita e que as Autoridades punem quem seja encontrado com bebidas alcoólicas. Sublinha-se ainda que não é permitido o convívio, particularmente em espaços públicos, entre homens e mulheres não casados/as entre si e que a contravenção a tal regra também pode levar a problemas com as Autoridades sauditas.

Bahrain
2017-12-29
Aviso
Corte de relações diplomáticas com o Qatar: O Governo do Bahrain decidiu encerrar todas as suas fronteiras marítimas e aéreas com o Qatar, com efeito a 6 de Junho de 2017, assim como proibir a entrada de pessoas e meios de transporte provenientes do Qatar no seu território. Assim, as ligações marítimas e aéreas com o Qatar estão afectadas, incluindo os voos com origem ou destino em Doha. Em face do exposto, recomenda-se aos Portugueses, antes de iniciarem viagens, um contacto com as suas agências de viagem ou companhias aéreas, para verificarem eventuais alterações ou cancelamentos dos seus itinerários.

Camboja
2017-12-11
Aviso
Tendo em conta a ocorrência de roubos a estrangeiros, sobretudo por esticão, considera-se adequado evitar andar com o passaporte, sugerindo-se que o viajante circule apenas com uma fotocópia do mesmo para efeitos de identificação. Nos transportes públicos, tuk tuks e táxis mota, deve ter-se cuidado com os bens pessoais sugerindo-se a utilização dos cofres dos hotéis para deixar os objectos de valor.
 
Cuba
2018-01-12
Informação geral
Clima tropical com elevada humidade.
A época ciclónica decorre de 1 de Junho a 30 de Novembro, com maior incidência nos meses de Setembro a Outubro. Os meses de Janeiro a Junho são caracterizados pela ocorrência de chuvas frequentes.
Não há registo de atividade sísmica relevante em Cuba. Não obstante, na sequência do sismo que abalou o Haiti, foram sentidas algumas réplicas de fraca intensidade na zona oriental da ilha (Províncias de Guantánamo e Santiago de Cuba).

Etiópia
2017-12-18
Aviso
1. Recomenda-se extrema prudência nas viagens aos destinos turísticos do Deserto de Danakil, na região Afar. Desaconselham-se viagens a título individual àquela área (i.e. sem apoio de agência de viagens e escolta policial), devendo ser cumpridas à risca as instruções emanadas das autoridades locais.
2. Recomenda-se igualmente, prudência e cautela nas viagens a certas áreas das regiões Oromia, Somali, Gambella e Ahmara pois é frequente a ocorrência de protestos repentinos pela população local que podem degenerar em situação de violência e resultar em bloqueios ocasionais de estradas e danos para a integridade física ou destruição de propriedade.
3. Desaconselham-se viagens a título individual naquelas regiões (i.e. sem apoio de agência de viagens), devendo ser sobretudo evitadas deslocações não essenciais nas estradas entre Dire Dawa, Harar e Jijiga, bem como na estrada para Moyale, na fronteira com o Quénia, as quais têm sido objeto de repetidos bloqueios.
4. Recorda-se a necessidade de actualização dos contactos e pormenores sobre a estadia na Etiópia dos cidadãos nacionais que aí se desloquem, nomeadamente através do email da Embaixada de Portugal em Adis Abeba: embportaddis@gmail.com e Gabinete de Emergência Consular gec@mne.pt

Estados Unidos da América
2018-01-08
Informação Geral
Clima
Os riscos de catástrofes naturais ou fenómenos meteorológicos são consideravelmente mais elevados do que na Europa, sendo aconselhável estar bem informado sobre as condições climatéricas com antecedência, nomeadamente para quem pretende fazer excursões ou deslocar-se de automóvel.
Os riscos de furacões são frequentes na Costa do Golfo do México, nomeadamente nos seguintes Estados: Flórida, Alabama, Mississippi, Louisiana e Texas, e em menor grau na costa da Geórgia e Carolinas, entre os meses de Junho a Novembro. Haverá ainda que acautelar os riscos de tornados, mais frequentes em Estados como Kansas, Missouri, Oklahoma, Illinois, Iowa e Texas, bem como as temperaturas extremas negativas e tempestades de neve que podem ocorrer nos Estados do centro norte e noroeste do país ou no Alaska.

França
2018-01-10
Aviso
A 1 de novembro de 2017, as autoridades francesas levantaram o estado de emergência que vigorava em França desde os atentados ocorridos em Paris em novembro de 2015. O fim do estado de emergência coincide com a entrada em vigor da nova Lei sobre o Reforço da Segurança Interna e a Luta contra Terrorismo.
O Governo francês notificou, no entanto, a União Europeia de que, em virtude da persistência do elevado nível de ameaça terrorista, decidiu prorrogar, até 30 de abril próximo, os controlos nas suas fronteiras com os outros Estados Membros da UE. Estes controlos verificam-se em todos os postos fronteiriços, sejam terrestres, aéreos ou marítimos.
Mantém-se também a operação militar “Sentinelle” de apoio ao plano “Vigipirate” de luta contra o terrorismo. Através dessa operação, efectivos militares apoiam as forças de segurança em acções de patrulhamento e de protecção de eventos e de alguns locais, nomeadamente turísticos. Recomenda-se aos cidadãos nacionais, que visitam, estejam em trânsito ou residem em França, que se mantenham vigilantes em locais públicos e atentos às orientações e recomendações que venham a ser divulgadas pelas autoridades francesas.

Gabão 
2017-12-05
Aviso
Tendo em consideração a tensão política vivida no Gabão, aconselha-se os cidadãos nacionais residentes no país a manterem-se em suas casas, por uma questão de segurança. Igualmente se sugere aos viajantes que não se desloquem ao Gabão enquanto a crise persistir.

Iémen
2017-12-29
Aviso
São fortemente desaconselhadas quaisquer deslocações ao Iémen, incluindo o território arquipelágico, devido às precárias condições de segurança e à instabilidade política ali prevalecentes. Em virtude do encerramento de grande parte das Embaixadas em Saná, não existe na prática a possibilidade de prestar atualmente apoio consular no país.

Indonésia
Última actualização: 2017-12-18
Aviso
1. Os viajantes deverão ponderar a necessidade de realizarem viagens não-essenciais e precaverem-se com seguro de viagem com cobertura para atrasos e/ou alterações no itinerário previsto. Em resultado da emissão de cinzas, e da incerteza em torno de uma erupção de maior amplitude recomenda-se a máxima prudência nas viagens para Bali.
2. Na sequência do ataque terrorista ocorrido em 24 de Maio 2017, no terminal de autocarros de Kampung Melayu, em Jatinegara na parte leste de Jacarta, sugere-se, a título preventivo a todos os viajantes portugueses para Jacarta que evitem a zona do incidente, que permaneçam vigilantes e que sigam as instruções das Autoridades Indonésias, tendo sempre à mão o documento de identificação para poderem passar em eventuais check-points ou controlos policiais.
3. Têm-se registado casos de malária, dengue e outras doenças similares entre turistas e expatriados residentes, pelo que se recomenda ter as vacinas em dia. É muito importante adotar medidas de protecção contra mosquitos, como o uso de repelente e beber apenas água engarrafada e nunca da torneira.
4. Posse ou tráfico de droga estão sujeitos a penas duríssimas, incluindo pena de morte. Convém sublinhar que se tem verificado um endurecimento das medidas contra o consumo de drogas e uma acentuada severidade dos tribunais indonésios neste domínio. Mesmo a posse de pequenas quantidades de drogas consideradas leves poderá resultar em penas de prisão superiores a cinco anos. Para quantidades maiores pode ser aplicada a pena de morte. O combate à droga é aliás assumido como uma das prioridades do Presidente da Indonésia, não havendo qualquer regime de exceção para estrangeiros que infrinjam a lei.
Têm sido registados casos de morte de indonésios e turistas por envenenamento pelo consumo de bebidas alcoólicas artesanais (adulteradas com metanol), sobretudo em Bali, Manado (Celebes) e Lombok.
Em Bali, para além dos habituais casos de furtos não violentos (que resultavam na privação de dinheiro e passaportes de turistas - o que aconteceu a vários cidadãos portugueses) têm-se registado nos últimos meses casos de roubos violentos a turistas, sobretudo em motas, resultando em alguns casos em ferimentos graves e mesmo morte, assim como assaltos a quartos em residênciais de gama baixa.
Sendo a Indonésia um país extremamente popular entre turistas portugueses para prática de surf  recomenda-se atenção às correntes e condições do mar, sobretudo em áreas mais remotas. Têm-se registado alguns casos de acidentes, inclusive mortais, devido à prática do surf. Ainda que um seguro de saúde seja essencial, devido ao facto de as melhores ondas se encontrarem em zonas muito remotas da Indonésia, nem sempre este consegue responder em tempo útil.
Várias zonas da Indonésia são propensas a desastres naturais devido à sua situação geográfica e topográfica, pelo que são frequentes terramotos. Em 2011 registaram-se mais de 250 terramotos intensidade 5 na escala de Ritcher. Há ainda que considerar possibilidade tsunami (mais recente ocorreu em Outubro 2010 nas ilhas Mentawai, Sumatra, que provocou morte de 450 locais) e ainda ocasionais cheias durante a estação das chuvas (em particular em Jacarta). Embora não tenham ocorrido grandes erupções vulcânicas recentes, as ilhas de Sumatra e Java, bem como outras áreas da Indonésia, apresentam risco vulcânico dada a natureza do seu território. Desaconselham-se, portanto, viagens a zonas onde tenha havido actividade recente vulcânica recente, ainda que de menor dimensão, pois esta pode ser o prenúncio de ocorrência mais grave.
A lei muçulmana Sharia é implementada apenas oficialmente na província de Aceh, Norte de Sumatra. Mesmo se não frequente, as autoridades sharia não se inibem de confrontar não muçulmanos sobre violações à sua lei, pelo que se recomenda respeito pelas tradições locais e vestuário discreto, em particular para mulheres.
Há regiões da Indonésia que são mais “desaconselhadas”, em particular a região de Papua, onde se tem registado conflitos comunitários de baixa intensidade, pelo que se recomenda evitar situações envolvendo membros de tribos armados e/ou demonstrações. Registaram-se algumas fatalidades entre forças governamentais, trabalhadores locais e mesmo expatriados, nos últimos anos.

Irão
2018-01-08
Aviso
1. Têm-se registado, nos últimos dias, manifestações de rua em diversas cidades do país. As autoridades locais confirmaram a existência de vítimas mortais e diversas detenções. Cautelas de segurança pessoal devem ser redobradas. Deve evitar-se qualquer área ou zona onde decorram manifestações, haja ajuntamentos de pessoas em protesto ou forte presença policial. Caso se veja inadvertidamente em tais locais, deve afastar-se imediatamente ou, na impossibilidade de o fazer, procurar refúgio em local fechado. Sob nenhum pretexto se devem captar imagens ou sons de manifestações, de forças de segurança ou dos seus edifícios ou viaturas.
2. Desaconselham-se vivamente quaisquer deslocações às seguintes áreas:
- qualquer local situado a menos de 100 km da fronteira com o Afeganistão;
- qualquer local situado a menos de 50 km da fronteira com o Iraque, evitando em particular as províncias do Curdistão e Khuzestan;- a leste da linha que une Bandar Abbas e Kerman, incluindo a província do Sistão Baluchistão (a sudeste do Irão), área particularmente vulnerável a actividades terroristas da Jundullah (grupo terrorista separatista Baluchi); - qualquer área fronteiriça, porquanto são consideradas, pelas autoridades iranianas, particularmente sensíveis.
3. Os viajantes solitários correm inevitavelmente mais riscos que turistas em grupo (sobretudo quando se deslocam isoladamente por estrada).
4. É expressamente proibido fotografar ou filmar edifícios governamentais e/ou militares (e áreas circundantes). Tais edifícios nem sempre estão claramente identificados, pelo que se aconselham as maiores cautelas.
5. Em caso de detenção de um nacional em território iraniano, a margem de intervenção da Embaixada portuguesa poderá ser limitada.
6. Os profissionais de imprensa deverão munir-se de um visto especifico caso porventura tencionem deslocar-se ao Irão com objectivos profissionais.
7. Deverão ser rigorosamente observadas as imposições legais em vigor, tradições locais e costumes religiosos bem como imposições em vigor em termos de traje.
8. O risco sísmico no Irão é elevado.

Israel e Territórios Palestinianos Ocupados
2017-12-11
Aviso
Recentes declarações do Presidente Donald Trump no sentido de reconhecer a cidade de Jerusalém como capital do Estado de Israel e sua decisão mudar a Embaixada norte-americana para aquela cidade, poderão conduzir a um aumento significativo da tensão e violência em Israel e Territórios Palestinianos Ocupados (Cisjordânia e Gaza), em particular em Jerusalém.
Assim, e prevendo-se que clima de tensão latente que já se vinha a registar nos últimos meses, possa aumentar significativamente nos próximos dias e semanas, tanto em Jerusalém (sobretudo na Cidade Velha) como noutras cidades em Israel, Cisjordânia e Gaza, recomenda-se aos cidadãos que evitem quaisquer deslocações não essenciais a estas zonas mais conturbadas, e que, a fazê-lo, o comuniquem aos serviços da Secção Consular da Embaixada de Portugal em Telavive (através do endereço de email: sconsular.telavive@mne.pt) ou do Escritório de Representação junto da Autoridade Palestiniana (através do endereço de email: portugal@p-ol.com), devendo ainda informar-se previamente sobre as condições de segurança do seu local de destino, e familiarizar-se com as zonas e locais onde tencionam deslocar-se, por razões turísticas ou profissionais, desejavelmente evitando a utilização de transportes públicos e a permanência nas respetivas estações e pontos de paragem, bem como visitas a zonas em que estejam previstas aglomerações ou manifestações de pessoas. Os avisos e recomendações das autoridades locais deverão ser escrupulosamente observados.
Por outro lado, em virtude da fragilidade das condições de segurança junto à fronteira israelo-libanesa e na região dos Montes Golã/Síria, com recorrente ocorrência de incidentes, desaconselham-se também as visitas não essenciais junto às imediações das referidas fronteiras/zonas.
Vacinação contra a poliomielite
A organização Mundial da Saúde (OMS) declarou, em 5 de maio de 2014, que neste momento a transmissão da poliomielite entre países constitui uma Emergência de Saúde Pública de âmbito internacional (informação disponível em http://www.who.int/mediacentre/news/statements/2014/polio-20140505/en/). Para evitar a disseminação do vírus da poliomielite para outros países, a OMS determinou, temporariamente, que todos os residentes e viajantes que tenham permanecido pelo menos 4 semanas em países onde circula o vírus selvagem da poliomielite, ao saírem desses países, devem ser portadores do certificado internacional de vacinação e profilaxia, nos 12 meses anteriores à saída. Assim, os residentes ou viajantes com permanência de pelo menos 4 semanas, que não possuírem esta prova de vacinação podem ser novamente vacinados contra a poliomielite, à saída destes países ou à entrada em países onde a poliomielite está eliminada."

Líbano
2017-11-24
Aviso
Em razão alguma imprevisibilidade condições segurança e tensões com vizinhos /outros Estados região, haverá ponderar com maior prudência deslocações não essenciais.

Myanmar
2017-12-11
Informação Geral
O clima é tropical e quente. A estação das chuvas vai de Junho a Setembro. A estação menos chuvosa é de Dezembro a Abril.
Condições de segurança
As condições de segurança são deficientes. São desaconselhadas deslocações à regiões de Myawadi, Tachilik-Mae Sai, ao norte de Arracão e ao Estado de Karen, que experimentam tensões étnicas ou movimentos de guerrilha. Desde outubro de 2016, algumas zonas do estado de Arracão têm permanecido fechadas para visitantes.

Quénia
2017-11-17
Aviso
1. As eleições presidenciais decorreram no passado dia 26 de outubro. A situação política permanece tensa. Têm-se se registado manifestações e atos de violência em distintos pontos do país, pelo que se recomenda precaução nas deslocações internas. Dever-se-á manter um acompanhamento atento dos acontecimentos e dos locais onde os incidentes poderão ocorrer (com recurso à imprensa local, disponível "online") e evitar manifestações políticas que podem tornar-se violentas. Os viajantes devem registar as suas deslocações junto do Gabinete de Emergência Consular (gec@mne.pt). Para eventual necessidade de esclarecimento, ou apoio suplementares podem igualmente ser contactados a Missão Diplomática de Portugal em Nairobi (luisa.fragoso@mne.pt) e o Consulado Geral de Portugal em Maputo (frederico.silva@mne.pt, margarida.cordeiro@mne.pt e daniela.ferreira@mne.pt).
2. Vários ataques com explosivos em diversas cidades confirmam a necessidade do uso da maior prudência nas deslocações a este país.
3. Aconselha-se precaução adicional nas deslocações a Mombaça e na utilização da estrada Nairobi-Naivasha que tem sido alvo de vários ataques de criminosos.
4. Desaconselham-se quaisquer viagens às áreas próximas da fronteira com a Somália.
Aviso 
1.Recomenda-se que, antes de viajar, informe o Consulado Geral de Portugal em Maputo consulado.maputo@mne.pt indicando as datas de chegada e partida e os locais de alojamento. No caso de ser vítima de qualquer incidente de segurança, contacte o Consulado Geral.
2. “A organização Mundial da Saúde (OMS) declarou, em 5 de maio de 2014, que neste momento a transmissão da poliomielite entre países constitui uma Emergência de Saúde Pública de âmbito internacional (informação disponível em http://www.who.int/mediacentre/news/statements/2014/polio-20140505/en/). Para evitar a disseminação do vírus da poliomielite para outros países, a OMS determinou, temporariamente, que todos os residentes e viajantes que tenham permanecido pelo menos 4 semanas em países onde circula o vírus selvagem da poliomielite, ao saírem desses países, devem ser portadores do certificado internacional de vacinação e profilaxia, nos 12 meses anteriores à saída.
Assim, os residentes ou viajantes com permanência de pelo menos 4 semanas, que não possuírem esta prova de vacinação podem ser novamente vacinados contra a poliomielite, à saída destes países ou à entrada em países onde a poliomielite está eliminada.

Qatar
2018-01-10
Aviso
1. Para a obtenção de uma carta de condução local, a legislação do Qatar sujeita todos os nacionais portugueses a um conjunto de requerimentos e exame de saúde e taxas. Os requerentes deverão ter pelo menos 18 anos de idade para a carta de ligeiros e 21 para a carta de pesados, apresentar CC ou Passaporte válidos, carta do "Sponsor" a aprovar o requerimento e deverão ainda e submeter-se a exame oftalmológico.
2. Têm sido referidas com alguma frequência situações fraudulentas de ofertas de trabalho para o Qatar, verificando-se que algumas pessoas acabam por assinar contratos de trabalho em língua estrangeira sem conhecerem integralmente o seu clausulado e incorrerem em situações que não correspondem ao que lhes havia sido prometido. Os cidadãos portugueses deverão precaver-se, traduzindo oficialmente os contratos, verificando o que deles consta e confirmando a sua autenticidade junto da Embaixada do Qatar em Lisboa.
3. Ofertas de emprego aliciantes e com custos associados para o candidato são provavelmente fraudulentas e não dão quaisquer garantias de emprego.
4. A legislação no Qatar exige em caso de cessação de contrato um visto de saída (exit permit) assinado pela entidade patronal ou pelo "sponsor" que o contratou. Na ausência desta autorização, os cidadãos nacionais podem ficar retidos e impedidos de sair do país. Alerta-se, igualmente, para as situações de não pagamento de multas ao Estado, as quais implicam também a retenção no país dos cidadãos estrangeiros até liquidação das mesmas.
Em virtude do aumento do número de casos desta natureza na área laboral, aconselha-se os cidadãos nacionais que tencionem trabalhar neste país a exigir da entidade empregadora, no momento da assinatura do contrato de trabalho, a emissão do respetivo visto de saída - exit permit pré-datado ou não datado.
Alerta-se, ainda, para o facto de a recusa na concessão deste visto de saída não ser passível de recurso. Aconselha-se, nestes casos, a consulta de um advogado local, uma vez que a Embaixada não pode interferir nas decisões decorrentes do direito interno do Qatar.

Tailândia
2017-12-11
Aviso
1. São desaconselhadas todas as deslocações não essenciais às províncias de Songkla, Pattani, Yala e Narathiwat.
2. São igualmente desaconselhadas todas as deslocações aos templos de Preah Vihear e Ta Krabey/Ta Moan localizados no Cambodja junto à fronteira com a Tailândia, dada a instabilidade e a presença de Forças Armadas nessa região.
3. Foram já registados casos de vírus Zika na Tailândia em 2016. Os viajantes devem tomar medidas de prevenção contra a picada de mosquitos, especialmente durante o dia. Se está grávida ou planeia uma gravidez e pretende viajar para a Tailândia, deverá previamente consultar um médico para obter informações sobre as possíveis implicações das infeções causadas pelo vírus Zika e respectivas recomendações médicas.
Número da Embaixada de Portugal em Bangkok, tel: 00 66 (0)22342123, funciona como número de emergência consular a qualquer hora do dia ou da noite.

Tunísia
2017-12-21
Aviso
  1. Foi prorrogado por mais três meses a partir do dia 12 de novembro, o estado de emergência em todo o território nacional tunisino (o estado de emergência está em vigor desde Novembro de 2015, tendo desde então, vindo a ser sucessivamente prorrogado). Continuando o nível de alerta ao seu ponto mais alto (3).
Apesar de se ter verificado uma certa melhoria da situação securitária, reiteram-se as recomendações de maior vigilância e prudência nos locais de trabalho, nas residências e nas deslocações e o mais estrito respeito das disposições exigidas por estas autoridades.
Recomenda-se particular atenção nas deslocações para zonas onde tenham ocorrido incidentes de segurança bem como para lugares de grande afluência, tais como centros comerciais e mercados.
2. Recorda-se que continua em serviço o número de telefone da Embaixada de Portugal em Tunes, a utilizar exclusivamente em situações de emergência: +(216) 93 614 067.
3. Aproveita-se ainda oportunidade para solicitar o favor de ser comunicada qualquer alteração das coordenadas, bem como de avisar qualquer cidadão português residente neste país de proceder à sua inscrição nesta Secção Consular, caso não teria sido ainda efetuada.
4. Reitera-se ainda a necessidade de efetuar o seu “Registo ao Viajante”, conforme mencionado na parte geral destes Conselhos aos Viajantes. Sugere-se ainda que sejam comunicadas à Secção Consular da Embaixada de Portugal em Tunes: sconsular.tunes@gmail.com - algumas informações básicas relativas à sua estadia: nome completo, número de telemóvel, nome e coordenadas do hotel ou do contacto na Tunísia, datas e horas dos voos de chegada e partida, bem como qualquer outra informação julgada conveniente.

Zimbabué
Última atualização: 2017-11-15
Aviso
1. Face aos recentes acontecimentos aconselha-se à Comunidade Portuguesa em Harare que se mantenha numa atitude de calma e prudência.
Assim, são de excluir neste momento deslocações ao centro da cidade, designadamente a zona dos Ministérios onde se concentra a presença militar e em geral evitar pontos onde haja grande concentração de pessoas.
No resto da cidade, são de evitar as deslocações desnecessárias mas aconselha-se que face a uma eventual degradação da situação, se adquiram, alimentos e combustível.
2. Aconselha-se aos visitantes e residentes a evitar ajuntamentos ou multidões, devendo assumir uma atitude de apertada vigilância nos dias próximos das eleições e seguintes.
3. Devem, igualmente, evitar usar as cores dos partidos (laranja, azul, vermelho/negro/verde e amarelo).
4. Reforçar as medidas de segurança nas suas casas, verificando alarmes e trancas, para além de garantir reservas de água e comida para o período em causa.
5. Quando circularem de carro, devem trancar as portas dos mesmos.

Sem comentários: