[ Diretor: Mário Frota [ Coordenador Editorial: José Carlos Fernandes Pereira [ Fundado em 30-11-1999 [ Edição III [ Ano XII

segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

Centeno reduz IRS, mas limita efeitos nos salários. Acerto de contas em 2019

_______
Impostos

por: Mónica Silvares
3.Janeiro.2018

Os portugueses não vão beneficiar no seu salário da totalidade de descida de IRS, porque o governo limitou o seu efeito nas tabelas de retenção. Acerto de contas passa para 2019. Cálculos são da PwC.


O alerta já tinha sido dado aquando da divulgação da proposta do Orçamento do Estado para 2018 e a confirmação surge agora com a divulgação das tabelas de retenção na fonte do IRS publicadas em Diário da República. Os contribuintes não vão ter o alívio mensal que eventualmente esperariam tendo em conta a anunciada descida de impostos para este ano.


O Orçamento ditou um alargamento do número de escalões de cinco para sete, aumentou o mínimo de existência e, em 2018, desaparece na totalidade a sobretaxa de IRS. Como tal, os portugueses vão ter mais rendimento disponível ao longo deste ano. Mas essa folga financeira poderia ser ainda maior se as tabelas de retenção refletissem, de facto, a nova política fiscal. Contudo, a opção do Executivo foi não refletir, na totalidade, a descida de impostos, deixando para 2019 a devolução na íntegra dos rendimentos, tal como o demonstram as simulações que a PwC fez para o ECO.

Assim, por exemplo, um solteiro que ganhe mil euros brutos por mês vai receber, em meados de 2018, 172,38 euros de reembolso referente ao rendimento obtido em 2017. No entanto, em 2019, pelos mesmos 14 mil euros anuais vai ter um reembolso maior, de 242,65 euros.

Nota: Os cálculos foram efectuados tendo em consideração os seguintes pressupostos: os contribuintes não têm quaisquer outras despesas dedutíveis.
 
 
E o valor do reembolso aumenta quanto maior for o rendimento em causa. Por exemplo, um solteiro com um rendimento bruto anual de 28 mil euros, apesar de ter uma descida de imposto face a 2017 (vai pagar 5.605,4 euros contra os 5.876,6 euros de 2017) e a consequente diminuição da retenção na fonte de 6.580 para 6.412 euros, o nível de reembolso de imposto aumenta em 103,2 euros. Ou seja, se a taxa de retenção na fonte fosse a mais ajustada, o nível de reembolso seria idêntico. Já num rendimento mensal de 2.500 euros, o reembolso aumenta em 118,28 euros, de acordo com as simulações da PwC.
 
(...)

Sem comentários: