[ Diretor: Mário Frota [ Coordenador Editorial: José Carlos Fernandes Pereira [ Fundado em 30-11-1999 [ Edição III [ Ano XII

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

Hospitais já abriram 80% das camas previstas no plano da gripe


por:  Ana Maia 

5.Janeiro.2018

Unidades das regiões norte e de Lisboa e Vale do Tejo já abriram a maior parte das camas previstas no plano de contingência para a gripe. SNS foi reforçado com mais 144 enfermeiros.

Foto:  Graça Freitas diz que “nunca foram vacinadas tantas pessoas como nesta época gripal”
Nuno ferreira Santos

São as duas maiores regiões do país e já abriram 80% das camas extras que estão previstas no plano de contingência do Inverno para fazer face ao aumento de situações graves a precisar de internamento. Segundo a Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS), a região norte tinha previsto um máximo de 258 camas, das quais 213 estão abertas. Na região de Lisboa e Vale do Tejo, adiantou o presidente da Administração Regional de Saúde, 80% das 700 camas previstas também já estão a ser usadas ou disponíveis para internar doentes.

Portugal já está em epidemia de gripe e são vários os hospitais a accionar os seus planos de contingência. Um dos exemplos é o Centro Hospitalar Lisboa Norte (que inclui Santa Maria), que registou mais de 900 episódios de urgência em 24 horas, entre quarta-feira e quinta-feira. Em comunicado, a administração adiantou que o aumento da procura “e subsequente aumento da necessidade de internamento levou à abertura de 40 camas” adicionais para dar resposta aos doentes. “De referir que nos últimos dois dias a taxa de internamento passou de 10,6% para 12,2%, em linha com o crescimento da complexidade dos doentes e das comorbilidades próprias da sua elevada faixa etária.”

Também o Hospital de São José, em Lisboa, abriu camas adicionais na quarta-feira, adiantou Luís Pisco, presidente da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT). A região ainda tem 140 camas por abrir. “Ainda há capacidade para aumentar a resposta. São camas de internamento em serviços que não são de medicina, há quartos que podem ser transformados, camas contratadas externamente à Cruz Vermelha e um protocolo que temos com os hospitais militares. A rede de cuidados continuados também está a fazer um enorme esforço para ter vagas para os chamados casos sociais”, explicou.

Portugal já está em epidemia de gripe e são vários os hospitais a accionar os seus planos de contingência.
A norte, a capacidade está praticamente esgotada, com 213 camas já abertas, segundo dados da ACSS. O Centro Hospitalar Gaia-Espinho é um dos exemplos. Em comunicado enviado à Lusa, a administração diz que na última semana de 2017 “o fluxo de doentes muito graves tem conduzido a cerca de 40 internamentos diários”. Semana em que registou um aumento de 25% na ida de utentes à urgência.
()

Sem comentários: