[ Diretor: Mário Frota [ Coordenador Editorial: José Carlos Fernandes Pereira [ Fundado em 30-11-1999 [ Edição III [ Ano XII

segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

OMS alerta: brinquedos ruidosos podem por em causa a audição dos mais pequenos

Saúde
Imagem Desdobramento

Apesar da lei europeia definir como limite máximo para brinquedos os 125 decibéis (dB), a Organização Mundial de Saúde (OMS) não recomenda níveis de ruído superiores a 85 dB. Os especialistas alertam que os pais devem estar atentos, porque as consequências implicam não só problemas auditivos, como também dificuldades de aprendizagem e concentração.
Em declarações ao Diário Notícias, Dulce Martins Paiva começa por explicar que “a Organização Mundial da Saúde indica que o nível máximo de ruído permitido por brinquedo é de 85 decibéis (dB), apesar de a norma europeia relativa às propriedades físicas e mecânicas dos brinquedos (EN-71) que, entre outras coisas, fixa o nível sonoro máximo na conceção de brinquedos seguros, definir como limite o valor máximo em 125 dB para brinquedos com fulminantes”. A diretora da GAES - Centros Auditivos em Portugal aconselha os pais “a avaliarem o nível de ruído emitido pelos brinquedos oferecidos aos filhos”, porque, garante, há casos em que chega aos 135 dB.

Guitarras, minibaterias, carros, armas e MP3 são apenas alguns dos brinquedos que parecem inofensivos mas podem constituir um perigo para a saúde auditiva das crianças e não só. Se o nível de ruído ultrapassar o recomendado, podem conduzir a uma perda gradual da audição, que terá consequências no desenvolvimento global da criança. O pediatra Hugo Rodrigues refere que o aparelho auditivo, que “está a desenvolver-se para responder a uma determinada frequência e intensidade de sons”, “se for sujeito constantemente a intensidades muito altas, são ativados constantemente os recetores e provocamos uma desabituação a valores mais baixos”. “Por isso é que as crianças ficam a ouvir pior, porque desabituam o ouvido a responder a intensidades sonoras mais baixas”, explica.

Além das implicações diretas na audição, o pediatra diz que a capacidade de concentração, abstração e resposta da criança pode também ficar afetada, já que esta “precisa de estímulos cada vez mais intensos para conseguir estar atenta”. Dulce Paiva acrescenta que esta situação acaba por prejudicar o desenvolvimento global da criança, tanto a nível emocional como social, mas sobretudo ao nível da linguagem. “Ao deixar de estar exposta ao estímulo da linguagem existe um desfasamento do seu desenvolvimento linguístico, com repercussões na aprendizagem”.

 

Sem comentários: