[ Diretor: Mário Frota [ Coordenador Editorial: José Carlos Fernandes Pereira [ Fundado em 30-11-1999 [ Edição III [ Ano XII

quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

Todas as embalagens de plástico no mercado europeu vão ser recicláveis até 2030

A Comissão Europeia divulgou esta terça-feira a Estratégia Europeia para a substituição de produtos de plástico por materiais reutilizáveis.


A União Europeia vai financiar projetos que procurem criar novos produtos recicláveis. A primeira estratégia europeia em matéria de plásticos foi publicada esta terça-feira, 16 de janeiro, e estabelece a meta de 2030 para que todas as embalagens de plástico no mercado do bloco sejam recicláveis.

A Comissão Europeia divulgou hoje a Estratégia Europeia para a substituição de produtos de plástico por materiais reutilizáveis, onde se prevêem 100 milhões de euros de financiamento para criar materiais plásticos “mais inteligentes e mais recicláveis”, aumentar a eficiência do processo e verificar e eliminar “substâncias perigosas e contaminantes”.

A instituição europeia vai ainda avançar com campanhas nacionais de sensibilização e determinar o âmbito das novas normas europeias, a propor ainda este ano, sobre objetos de plástico descartáveis, em particular nas artes de pescas, bem como medidas para reduzir os encargos administrativos dos portos, navios e autoridades responsáveis.
"“Com a sua estratégia para os Plásticos, a União Europeia está a promover um modelo económico novo, mais circular. Temos de investir em tecnologias novas, inovadoras, que preservem os cidadãos e o ambiente, e, simultaneamente, mantenham a competitividade da nossa indústria”, afirmou o vice-presidente da Comissão Europeia, Frans Timmermans.
Segundo o Eurobarómetro, com dados relativos a novembro de 2017, a maioria dos europeus (87%) estão preocupados com o impacto dos plásticos no ambiente (91% em Portugal) e 74% estão preocupados com o efeito deste material na saúde (77% em Portugal). A nova estratégia inclui uma extensa lista de futuras medidas da União Europeia para implementar a estratégia (Anexo I) e outra com as recomendadas às autoridades nacionais e à indústria (Anexo II).

(...)

Sem comentários: