[ Diretor: Mário Frota [ Coordenador Editorial: José Carlos Fernandes Pereira [ Fundado em 30-11-1999 [ Edição III [ Ano XII

segunda-feira, 28 de janeiro de 2019

Como as comissões rendem milhões e milhões aos bancos

Os bancos lucraram 132,1 milhões de euros, em 2017, com a disponibilização de meios de pagamento como cartões de débito, pré-pagos e de crédito, sobretudo devido às comissões cobradas, que rendem - e muito, como se vê pelo estudo que o Banco de Portugal dá a conhecer esta segunda-feira.
Intitulado Custos Sociais dos Instrumentos de Pagamento de Retalho em Portugal, o trabalho avalia os custos suportados em 2017 pelo sistema bancário, comerciantes e consumidores na disponibilização de instrumentos de pagamento de retalho (numerário, cheques, cartões de crédito, débito, débitos diretos e transferências a crédito). “Pela primeira vez” desde a realização do estudo, os bancos tiveram mais proveitos do que custos nesta área.
“Na perspetiva privada do sistema bancário, os custos com a disponibilização dos instrumentos de pagamento de retalho em 2017 totalizaram 793,3 milhões de euros (0,44% do Produto Interno Bruto (PIB)) e os proveitos 925,4 milhões de euros (0,5% do mesmo indicador). Verificou-se assim, pela primeira vez desde a realização deste estudo, que a subsidiação cruzada entre instrumentos de pagamento foi suficiente para gerar uma situação global positiva, de 132,1 milhões de euros, que corresponde a uma taxa de cobertura de 116,7%”, cita a Lusa. Ler + (...)

Sem comentários: