[ Diretor: Mário Frota [ Coordenador Editorial: José Carlos Fernandes Pereira [ Fundado em 30-11-1999 [ Edição III [ Ano XII

terça-feira, 23 de julho de 2019

Portagens, propinas e quotas de ordens. 11% das cobranças coercivas nada têm a ver com impostos

Em 2018, Fisco cobrou 140 milhões a favor de entidades externas, na maioria privados, algo que sindicatos dizem desviar foco do combate à fraude. Cobranças coercivas disparam 32% no primeiro semestre. 

 Em 2018, a Autoridade Tributária arrecadou 140,13 milhões de euros em receitas não fiscais, que respondem por 10,86% do total de cobranças coercivas conseguidas pela AT ao longo do ano passado. Mas apesar de em termos de receita efetiva o peso ser relativamente reduzido, segundo os representantes dos trabalhadores dos impostos cobrar dívidas não fiscais exige o triplo do trabalho que a cobrança de impostos.

O ECO solicitou dados desagregados dos valores cobrados pela Autoridade Tributária na sequência das queixas apresentadas pelos representantes dos trabalhadores dos impostos aos deputados da Comissão de Orçamento e Finanças (COFMA) da Assembleia da República. Pelo debate que se seguiu entre sindicatos e deputados, ficou claro que nenhuma das partes conhecia o peso das cobranças feitas pela AT em nome de entidades externas. Ler + (...)

Sem comentários: