[ Diretor: Mário Frota [ Coordenador Editorial: José Carlos Fernandes Pereira [ Fundado em 30-11-1999 [ Edição III [ Ano XII

quinta-feira, 7 de novembro de 2019

Inglaterra discute a proibição de fogo-de-artifício para proteger os seus animais

A morte de um cachorro de 18 semanas desencadeou uma onda de protesto, com uma petição online já assinada por mais de 500 mil pessoas

Em South Yorkshire, Susan Paterson está convencida que o seu pequeno animal de estimação morreu de susto, de ataque cardíaco, no passado sábado, 2, depois dos estrondos fortes dos rebentamentos de fogo-de-artifício. A história da morte de Molly, uma jovem terrier de 18 semanas foi partilhada nas redes sociais por Susan Paterson, no grupo local do Facebook Wombwell Wise, tendo mais de 60 mil partilhas. “Por favor, pense nos animais. Molly tinha apenas 18 semanas e morreu de susto causado por fogos de artifício”, dizia a dona.
Daí à criação de uma petição online (que pede a revisão urgente da lei que permite o uso de fogo-de-artifício) foi um passo, e já conseguiu mais de 500 mil assinaturas. O primeiro parágrafo da petição diz: “Os fogos-de-artifício podem causar sérios problemas aos animais.Ler + (...)

Sem comentários: