[ Diretor: Mário Frota [ Coordenador Editorial: José Carlos Fernandes Pereira [ Fundado em 30-11-1999 [ Edição III [ Ano XII

sexta-feira, 31 de janeiro de 2020

Banco de Portugal reduz prazo máximo de crédito pessoal para sete anos

O crédito pessoal subiu significativamente e o Banco de Portugal baixou a maturidade máxima dos 10 anos para sete anos. Esta alteração entra em vigor a partir de 1 de abril.

 Depois de monitorizar a concessão de crédito pelos bancos, o Banco de Portugal anunciou hoje uma alteração da recomendação macroprudencial no âmbito dos novos créditos à habitação e ao consumo. A saber, a alteração do limite para a maturidade do crédito pessoal e das exceções ao rácio DSTI (debt service-to-income ratio). Trata-se dos limites ao rácio entre o montante total das prestações mensais associadas a todos os empréstimos detidos pelo mutuário e o seu rendimento mensal líquido de impostos e contribuições obrigatórias à Segurança Social. Isto é, a taxa de esforço.

O regulador não mexeu nas regras do crédito à habitação, não mexeu nas recomendações no crédito automóvel, mas mexeu no crédito pessoal reduzindo o prazo máximo de 10 para 7 anos, com algumas (poucas) exceções. Estas alterações entram em vigor a partir de dia 1 de abril de 2020. Ler + (...)

Sem comentários: