[ Diretor: Mário Frota [ Coordenador Editorial: José Carlos Fernandes Pereira [ Fundado em 30-11-1999 [ Edição III [ Ano XII

quarta-feira, 22 de abril de 2020

Mais casos de cancro de pele em doentes tratados com Picato

As autoridades concluíram pela maior ocorrência de cancro de pele nas pessoas que usaram o medicamento Picato, que trata algumas lesões de pele, e pedem a estes doentes que se mantenham atentos e procurem assistência médica. 

De acordo com o Infarmed, o Comité de Avaliação do Risco em Farmacovigilância (PRAC) da Agência Europeia de Medicamento (EMA, na sigla inglesa) terminou a revisão do risco de cancro de pele em doentes tratados com Picato (mebutato de ingenol) e concluiu que o perfil de benefício-risco deste medicamento é negativo.
O medicamento Picato estava indicado para lesões de pele como as queratoses actínicas, que são lesões de pele superficiais que podem surgir sob a forma de uma ou várias lesões escamosas.
 Estas lesões, que ocorrem mais frequentemente em áreas sujeitas a exposição solar crónica ao longo de muitos anos, são vermelhas ou acastanhadas, algumas vezes com uma superfície escamosa e são ásperas ao toque. Ler + (...)

Sem comentários: