[ Diretor: Mário Frota [ Coordenador Editorial: José Carlos Fernandes Pereira [ Fundado em 30-11-1999 [ Edição III [ Ano XII

terça-feira, 5 de maio de 2020

Depois de dois meses sem utilização, a água dos edifícios fechados ao público pode representar perigo para a saúde pública

As águas que permaneceram nos sistemas de canalização dos edifícios encerrados durante a quarentena apresentam um elevado risco de contaminação. Os especialistas apelam para que sejam tomadas medidas de precaução 
 
Há praticamente dois meses que escolas, universidades, empresas, escritórios, hotéis, restaurantes e ginásios estão encerrados. No entanto, o levantamento progressivo dos bloqueios previsto para alguns destes estabelecimentos está nesta altura a preocupar os especialistas internacionais em sistemas de canalização de edifícios que alertam para uma possível crise de saúde secundária. Na origem poderá estar uma contaminação bacteriana das águas que durante o período de isolamento social ficaram estagnadas nos sistemas de canalização dos edifícios encerrados ao público.  

Os investigadores prevêem que a acumulação de metais pesados e a proliferação de bactérias e parasitas na água pode representar agora um risco acrescido para a saúde pública. Uma das principais preocupações é a Legionela – uma bactéria presente em águas estagnadas que é capaz de causar pneumonia. Nesta altura, os especialistas estão já a estudar formas de minimizar os riscos, no entanto, garantem que as atuais orientações sobre a reabertura dos estabelecimentos não estão adequadas a questões desta natureza. Por isso, alertam a administração destes edifícios para tomarem medidas preventivas a aplicar antes da abertura ao público. Ler + (...)

Sem comentários: