[ Diretor: Mário Frota [ Coordenador Editorial: José Carlos Fernandes Pereira [ Fundado em 30-11-1999 [ Edição III [ Ano XII

terça-feira, 6 de outubro de 2020

“Este país é um COLOSSO, Está tudo grosso, está tudo GROSSO!

Antes… sem espinhas!

Agora, sem glúten!

Depois de uma noite inebriante, o Código às malvas!

Os maritimistas inebriaram-se com a vitória!

Os portistas, a noite para esquecer…

E para celebrar nada melhor que…?

E para esquecer nada melhor que…?

O Código da Publicidade continua a sofrer tratos de polé às mãos (aos pés) dos habilidosos da bola e seus suportes. Com o produto em evidência!

O pequeno ecrã “distrai-se” e cumpre ‘sem cerimónias’ os ditames de quem patrocina a bola: o álcool.

Não o que serve para desinfectar mãos e pés em tempos de pandemia, mas o que mal consegue higienizar as gargantas sôfregas do líquido que escorre do lúpulo e do malte.

E o Código continua a ser ignorado nos seus preceitos.

E a ERC… “Posta em sossego,

“de seus anos colhendo o doce fruito,

Naquele engano de alma ledo e cego

Que a fortuna não deixa durar muito”…

E que que diz o 17, que não é da Carris?

Restrições ao objecto da publicidade

 

 

Artigo 17.º
Bebidas alcoólicas



 

1 - A publicidade a bebidas alcoólicas, independentemente do suporte utilizado para a sua difusão, só é consentida quando:


a) Não se dirija especificamente a menores e, em particular, não os apresente a consumir tais bebidas;


b) Não encoraje consumos excessivos;


c) Não menospreze os não consumidores;

 
d) Não sugira sucesso, êxito social ou especiais aptidões por efeito do consumo;

 
e) Não sugira a existência, nas bebidas alcoólicas, de propriedades terapêuticas ou de efeitos estimulantes ou sedativos;


f) Não associe o consumo dessas bebidas ao exercício físico ou à condução de veículos;

 
g) Não sublinhe o teor de álcool das bebidas como qualidade positiva.


2 - É proibida a publicidade a bebidas alcoólicas, na televisão e na rádio, entre as 7 horas e as 22 horas e 30 minutos.


3 - Para efeitos do disposto no número anterior é considerada a hora oficial do local de origem da emissão.


4 - Sem prejuízo do disposto na alínea a) do n.º 2 do artigo 7.º, é proibido associar a publicidade de bebidas alcoólicas aos símbolos nacionais, consagrados no artigo 11.º da Constituição da República Portuguesa.


5 - As comunicações comerciais e a publicidade de quaisquer eventos em que participem menores, designadamente actividades desportivas, culturais, recreativas ou outras, não devem exibir ou fazer qualquer menção, implícita ou explícita, a marca ou marcas de bebidas alcoólicas.


6 - Nos locais onde decorram os eventos referidos no número anterior não podem ser exibidas ou de alguma forma publicitadas marcas de bebidas alcoólicas.”

 

Se o Código é sistematicamente rasgado pelos que afrontam as suas prescrições, porque não pôr a lei em conformidade com os factos, REVOGANDO pura e simplesmente este dispositivo?

 

De novo se conduz esta proposta aos órgãos do poder…

Sem comentários: